NASA considera levar astronautas novamente a locais de pouso da era Apollo

Por Danielle Cassita | 16 de Setembro de 2020 às 13h30
CNSA/CLEP
Tudo sobre

NASA

Saiba tudo sobre NASA

Ver mais

Pode ser que uma mudança de planos tenha ocorrido no planejamento do primeiro pouso lunar tripulado do programa Artemis: nesta semana, Jim Bridestine, administrador da NASA, sugeriu que a agência espacial pode enviar a Artemis 3 à região equatorial da Lua ao invés do polo sul de nosso satélite natural. Assim, os novos astronautas estariam próximos de onde aconteceram pousos da era Apollo.

Durante a reunião Lunar Exploration Analysis Group (LEAG), realizada virtualmente, Bridestine explicou que poderia haver benefícios ao enviar uma missão às regiões equatoriais da Lua, aproveitando também um ponto de pouso do programa Apollo. “Se você for para a região equatorial novamente, como vai aprender o máximo possível? Você poderia dizer que vai aprender principalmente indo aos locais onde colocamos equipamentos no passado”, diz ele. Aqui, ele se referiu aos equipamentos que ficaram nos locais de pouso das Apollo, que poderiam conferir descobertas científicas.

Enviar a missão para a região equatorial da Lua poderia ser vantajoso (Imagem: NASA)

Entretanto, a fala de Bridestine sugere uma mudança em relação ao que Mike Pence, vice-presidente dos Estados Unidos, havia dito em seu discurso na reunião do National Space Council, em 2019. Naquela ocasião, ele mencionou que a NASA já sabia que o polo lunar sul tinha grande valor científico, estratégico e econômico, e agora seria o momento de ir para lá. Então, pode ser que a agência tenha feito uma mudança de planos: uma alunissagem — ou seja, um pouso em solo lunar — nos polos é algo mais desafiador, e nenhuma missão humana ou robótica já conseguiu o feito nestas regiões.

Os landers robóticos comerciais do programa Commercial Lunar Payload deverão pousar no polo Sul antes do início do pouso da Artemis 3. Por enquanto, pousar longe do polo sul é apenas um cenário hipotético e nada foi decidido ou confirmado até o momento. Mesmo assim, vale lembrar que uma mudança no local de pouso poderia afetar a ciência que poderia ser feita na missão.

Para Renee Weber, presidente da equipe de definição científica do Marshall Space Flight Center, os planos da missão envolvem realizar a tarefa em um local de pouso nos polos. Enquanto isso, a NASA está trabalhando na identificação de locais de pouso específicos para as missões do programa Artemis, e o processo deverá envolver o engajamento comunitário com cientistas.

Fonte: SpaceNews

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.