Publicidade

Ação humana pode dar origem a uma nova Era geológica na Lua

Por| Editado por Patricia Gnipper | 11 de Dezembro de 2023 às 12h38

Link copiado!

NASA
NASA

Parece que chegou o momento de reconhecer que a força humana é a principal responsável pelas mudanças no ambiente da Lua. Segundo um novo estudo de antropólogos e geólogos da Universidade de Kansas, nos Estados Unidos, é necessário declarar o Antropoceno Lunar, uma nova era geológica.

Justin Holcomb, autor principal do novo estudo, explica que a ideia é parecida com a discussão do Antropoceno na Terra, ou seja, a exploração do quanto os humanos afetaram o planeta. Segundo ele, “o consenso é que, na Terra, o antropoceno começou em algum momento no passado, seja centenas de anos atrás, seja na década de 1950”.

Para eles, o Antropoceno Lunar já começou. “Mas queremos prevenir danos massivos ou um atraso do seu reconhecimento até podermos medir um halo lunar significativo causado pelas atividades humanas, que seria tarde demais”, disse.

Continua após a publicidade

A primeira perturbação de origem humana causada na Lua aconteceu em 13 de setembro de 1959, quando a espaçonave da missão soviética Luna 2 se chocou com a superfície lunar. Desde então, centenas de outras missões — tripuladas e robóticas — pousaram em nosso satélite natural.

O autor destaca que o impacto dos rovers, módulos de pouso e movimentos humanos causam perturbações significativas no regolito lunar. “No contexto da nova corrida espacial, a paisagem lunar vai ser completamente diferente em 50 anos”, acrescentou.

A equipe considera que o Antropoceno Lunar é uma forma de dar destaque ao possível impacto negativo humano na Lua. Entretanto, eles ressaltam que esta também pode ser uma forma de chamar a atenção para a vulnerabilidade de lugares por lá que têm valor histórico e antropológico, mas sem proteções legais e políticas.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

O artigo com os resultados do estudo foi publicado na revista Nature Geoscience.

Fonte: Nature Geoscience; Via: University of Kansas