A Blue Origin levou ossos de dinossauros ao espaço. Mas qual o objetivo disso?

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 21 de Maio de 2021 às 15h30
Blue Origin

Em 14 de abril deste ano, a Blue Origin realizou seu último teste de voo antes de realizar seu primeiro lançamento comercial com seu foguete New Shepard. Dentro da nave, havia ossos de dinossauros — quase 200 fragmentos fósseis datados entre 65 a 70 milhões de anos —, em apoio à iniciativa da organização sem fins lucrativos da empresa de Jeff Bezos, a Dream Big Alabama, e também em agradecimento aos colaboradores do Huntsville Science Festival, fundado pela Innovation for Education Foundation.

Em nota oficial, o Huntsville Science explica a principal motivação do envio de fósseis ao espaço. "Parece muito apropriado que um membro da família raptor dos dinossauros, com penas semelhantes a pássaros, voe a bordo do New Shepard, um foguete que apresenta a pena azul da empresa de forma proeminente", explica Joe Iauzzo, fundador da iniciativa e ex-diretor e desenvolvedor de conteúdos do Jurassic Park Institute, da Universal Pictures. Infelizmente, diz Iacuzzo, para os dinossauros, foi um asteroide caindo do espaço que provocou sua extinção, então nada mais justo do que enviá-los ao espaço como um “cutucão adequado para aquele asteroide”.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Concepção artítisca da espécie de dinossauro que teve seus ossos levados ao espaço (Imagem: Reprodução/Julius Csotonyi/Club for the Future)

A bordo do New Shepard, estavam os fragmentos de dromeossaurídeos, da família raptor, que, conforme explica Iacuzzo, era uma espécie de dinossauro carnívoro e com penas, que atingiam até dois metros de comprimento e até um de altura, além de terem garras afiadíssimas em suas patas.

Os quase 200 pequenos pedaços de ossos foram colocados em um frasco de 10 centímetros e enviados para uma altitude de aproximadamente 105 quilômetros. O voo, que durou cerca de 10 minutos, também levou a bordo mais de 25 mil cartões postais para os membros do Club for the Future e o manequim de teste da Blue Origin, apelidado de Skywalker.

Agora, o ossos que estiveram no espaço serão apresentados em museus de todo o país, com exibições programadas, até então, para acontecer entre os dias 24 e 30 de outubro deste ano. Mas essa não é a primeira vez em que enviam pedaços de dinossauros ao espaço: ao menos em duas missões anteriores, com o uso do ônibus espacial da NASA, realizaram esta façanha. Em 1985, parte de um dinossauro com “bico de pato” voaram a bordo do Challenger e, após 13 anos, em 1998, foi levado um crânio de mais de 210 milhões de anos, a bordo do Endeavour.

Fundador do festival, Joe Iacuzzo, com seu frasco de fragmentos fósseis (Imagem: Reprodução/Joe Iacuzzo/Huntsville Science Festival)

Uma parte dos ossos transportados para o espaço ainda está disponível para quem quiser patrocinar o festival, e os interessados devem entrar em contato com o fundador do evento, Joe Iacuzzo.

Fonte: Space.com, Club for the Future

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.