5 documentários brasileiros imperdíveis para assistir na Netflix

Por Nathan Vieira | 07 de Agosto de 2020 às 15h15
Roberto Nickson/Unsplash

Nesta sexta-feira (7), o audiovisual comemora uma ocasião muito pertinente: o Dia Nacional do Documentário Brasileiro. A data em questão foi definida pela Associação Brasileira de Documentaristas e Curtametragistas (ABD) como uma forma de homenagear o aniversário do cineasta baiano Olney São Paulo, autor de O Profeta de Feira de Santana (1970) e Ciganos do Nordeste (1976).

O que acontece é que, além de ser um verdadeiro marco nesse nicho, Olney São Paulo foi preso e torturado no período da ditadura militar devido ao filme Manhã Cinzenta (1969), sobre o primeiro sequestro de um avião brasileiro por membros da organização MR-8. Com a histórica resistência da ABD durante a ditadura militar, mesmo reconhecendo outros grandes nomes da história do documentário brasileiro, o nome mais votado pela associação e pelos cineastas que se manifestaram foi o de Olney São Paulo. Tendo essa data em mente, o Canaltech trouxe uma lista com 5 documentários brasileiros imperdíveis que você pode assistir na Netflix.

1. Quanto Tempo o Tempo Tem

Quanto Tempo o Tempo tem aborda, do ponto de vista da sociologia, da história e da filosofia, o conceito de tempo e o porquê dessa correria incessante (Imagem: Divulgação)

Tudo bem que estamos vivendo uma época um pouco diferente por conta da pandemia, mas você é desses que anda às pressas e acredita nunca ter tempo para nada, sempre na correria? Esse documentário foi feito por Adriana L. Dutra e Walter Carvalho em 2016, e aborda, como é possível entender já pelo nome, o tempo! A produção consiste em trazer pontos de vista de especialistas (filósofos, sociólogos e historiadores) acerca do conceito do tempo, principalmente quando se trata de diferentes civilizações, e o porquê disso de não termos tempo suficiente.

Sendo assim, a ideia por trás desse documentário de 1 hora e 15 minutos de duração é justamente explicar por que o tempo parece tão curto e a questão dessa falta dele no mundo contemporâneo. A diretora do documentário faz uma profunda reflexão sobre tempo, civilização e o futuro da existência.

2. Carta Para Além dos Muros

O documentário tem como foco a trajetória do HIV e da Aids, com foco no Brasil, por meio de entrevistas com médicos, ativistas e pacientes (Imagem: Divulgação)

Carta Para Além dos Muros foi lançado em 2019, escrito e produzido por André Canto (Todo Poderoso: o Filme — 100 Anos de Timão), com a ideia de retratar o histórico do HIV (vírus da imunodeficiência humana) e da AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) no Brasil, expondo, em seu contexto, portadores do vírus e história correlatas. Do pavor inicial às campanhas de conscientização, passando pelo estigma imposto às pessoas vivendo com HIV, o documentário visa trazer como a sociedade encarou essa epidemia em sua fase mortífera ao longo de mais de duas décadas.

Para isso, o documentário de 1 hora e 30 minutos conta com aparições de diversos especialistas e ativistas, como o médico sanitarista Drauzio Varella, o José Gomes Temporão, médico sanitarista e ex-Ministro da Saúde e Lucinha Araújo, mãe do cantor Cazuza, que ao dizer publicamente ser portador da doença, ajudou a criar consciência em relação à Aids e aos efeitos dela. Vale ressaltar, ainda, que o título é inspirado na obra de Caio Fernando Abreu.

3. Um Novo Capitalismo

O documentário Um Novo Capitalismo narra a história de cinco empreendedores sociais do Brasil, da Índia e do México (Imagem: Divulgação)

Um Novo Capitalismo, lançado em 2017 com duração de 1 hora e 15 minutos, busca responder a seguinte questão: "capital e propósito podem ser sócios em uma nova economia?". O documentário conta com a narração, produção e protagonismo de Antonio Ermírio de Moraes Neto, cofundador da Vox Capital, fundo de investimento de negócios de impacto social.

Produzido pela Talk Filmes e pela Dois e Meio Inteligência em Negócios Sociais, conta a história de cinco empreendedores sociais do Brasil, da Índia e do México. Negócios bem-sucedidos que geraram impacto social e constituem uma aposta nos próprios mecanismos de mercado para vencer a desigualdade social e problemas como acesso à saúde, moradia, educação de qualidade e renda. Esse produto audiovisual foi lançado dentro da programação do evento Encontro B, em São Paulo, voltado a debates sobre a construção de uma nova economia da América Latina para o mundo.

4. Estou me guardando para quando o carnaval chegar

Estou Me Guardando Para Quando O Carnaval Chegar traz histórias acerca da pequena cidade de Toritama, no Agreste pernambucano (Imagem: Divulgação)

Outro documentário brasileiro para ver neste dia especial é Estou Me Guardando Para Quando O Carnaval Chegar, de 1 hora e 25 minutos, que coloca no mapa a cidade de Toritama, considerada como um centro ativo do capitalismo local. Acontece que mais de 20 milhões de jeans são produzidos anualmente em fábricas caseiras. Orgulhosos de serem os próprios chefes, os proprietários destas fábricas trabalham sem parar em todas as épocas do ano, exceto o carnaval: quando chega a semana de folga, eles vendem tudo que acumularam e descansam em praias paradisíacas.

Lançado no ano passado, o documentário é escrito e dirigido por Marcelo Gomes (Era Uma Vez Eu, Verônica) e produzido por Nara Aragão e João Vieira Jr. Exibido na mostra competitiva do 24º festival de documentários É Tudo Verdade, o filme recebeu menção honrosa do júri oficial e da Associação Brasileira de Documentaristas e Curta-Metragistas, além de ser escolhido como melhor filme pelo júri da Associação Brasileira de Críticos de Cinema.

5. VIPS: Histórias Reais de um Mentiroso

VIPS: Histórias Reais de um Mentiroso conta a história da um dos maiores golpistas brasileiros que já existiram (Imagem: Divulgação)

O documentário VIPs: Histórias Reais de um Mentiroso traz à tona a verdadeira história de Marcelo Nascimento da Rocha, contada por ele mesmo (diretamente da prisão). Fazendo-se passar por policial ou dono de uma das maiores empresas do Brasil, Marcelo levou uma vida repleta de mentiras e golpes, enganando autoridades e a mídia. Dirigido por Mariana Caltabiano, o produto de 1 hora e 11 minutos foi lançado primeiramente em 26 de outubro de 2010 na Mostra Internacional de SP, e posteriormente em 13 de maio de 2011, numa estreia oficial.

Fingindo ser sobrinho do diretor de uma companhia rodoviária ele conseguiu viajar várias vezes sem pagar. Aprendeu a pilotar aviões ao trabalhar para contrabandistas, que atuavam na fronteira do Brasil com o Paraguai. Seu golpe mais conhecido foi quando fingiu ser Henrique Constantino, filho do dono da companhia de aviação Gol, em um evento patrocinado por ela em Recife.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.