Destino de James Bond foi pedido de Daniel Craig aos produtores da franquia

Destino de James Bond foi pedido de Daniel Craig aos produtores da franquia

Por Felipe Demartini | Editado por Jones Oliveira | 04 de Janeiro de 2022 às 17h20
Captura/YouTube/MGM

007: Sem Tempo Para Morrer marcou o fim da estadia de Daniel Craig (Entre Facas e Segredos) no papel do espião britânico James Bond. O desfecho do longa lançado em 2021, após adiamentos decorrentes da pandemia de covid-19, porém, foi pedido pelo ator muito antes, logo após o lançamento de Cassino Royale, que marcou sua estreia. Foi um acordo entre ele e os produtores Michael G. Wilson e Barbara Broccoli, que ficou esquecido até o início da produção do longa recente.

Atencão: este texto terá spoilers do final de 007: Sem Tempo Para Morrer.

Daniel Craig combinou destino de James Bond na época do lançamento de Cassino Royale (Imagem: Divulgação/Universal Pictures)

Em entrevista à Variety, Craig disse que a ideia veio após o lançamento do primeiro filme, quando a crítica e o público gostaram do resultado e ficou claro que ele teria de voltar ao papel algumas vezes. Ele afirmou a Broccoli — que é filha do produtor Albert R. Broccoli, responsável pelos primeiros 30 anos do personagem nos cinemas — não ter lido o contrato com atenção e perguntou quantos filmes ele deveria fazer. Ao saber da resposta de que seriam quatro longas, ele pediu pela morte do personagem no último deles.

O acordo acabou sendo esquecido ao longo dos anos, na medida em que a franquia tinha seus altos e baixos em termos de público e críticas. Parecia que ela ia ser deixada totalmente de lado após 007 Contra Spectre, de 2015, quando Craig relutou em voltar ao papel para mais um longa; mas as coisas se acertaram entre o intérprete e o estúdio e, para os produtores, ficou claro que era hora de cumprir a promessa feita tantos anos antes.

Na visão de Craig, essa era a única maneira possível de encerrar a carreira do personagem, marcar sua saída e entregar o posto para outra pessoa. Ele opina que, para alguém que está sempre arriscando a vida, sempre existe o momento em que as apostas serão altas demais e o perigo chegará até ele; esse tipo de ideia também aparece nos livros, tanto em relação ao próprio Bond como àqueles que frequentam seu círculo próximo.

No caso de Sem Tempo Para Morrer, e ao contrário do que o título indica, Bond acaba ficando para trás na fortaleza do vilão Lyutsifer Safin (Rami Malek) para operar comportas que permitiriam a destruição do Projeto Héracles, uma arma biológica criada pelo bandido. Essa também é a salvação de Madeleine (Léa Seydoux), que consegue escapar da ilha junto com Nomi (Lashana Lynch), que assumiu como 007 após a aposentadoria do espião.

O ator finalizou a entrevista afirmando que se sente feliz de ter feito parte de uma franquia que “estava lá antes dele e continuará depois”, citando esse como um dos principais sonhos para qualquer um que trabalhe como intérprete. Ao mesmo tempo, o ator disse não se importar com seu sucessor, ainda não divulgado e cuja busca, de acordo com os produtores, só deve ser iniciada em meados deste ano.

Fonte: Variety

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.