Crítica | After e a romantização de relacionamentos problemáticos

Por Beatriz Vaccari | Editado por Jones Oliveira | 11 de Março de 2021 às 10h41

Dentro de uma fanbase, existem aqueles fãs criativos, cuja mente viaja por lugares inimagináveis e transforma tudo em desenhos, vídeos editados com trilhas sonoras emocionantes e, uma das mais populares obras, fanfics. Como o próprio nome explica, as fanfics são ficções criadas pelo público de um determinado livro, filme ou série e já originaram sites em cantos da internet dedicadas apenas a suas publicações. Há quem encontrou nesse pequeno universo um modelo de mercado e conseguiu consolidar seu nome dentro de algo tão nichado, mas atraente.

Um exemplo é o casal Kurt e Blaine, de Glee, que por muito tempo foi o casal homossexual mais famoso da televisão fechada norte-americana. Mesmo o relacionamento entre os dois personagens sendo canônico, sua história foi capaz de atrair uma legião de fãs escritores que acabaram originando seu próprio site de fanfics "Klaine", como eram chamados.

After surgiu de uma série de livros que surgiu de uma fanfic no Wattpad, escrita por Anna Todd (Imagem: Divulgação / Voltage Pictures)

Quando se trata de personagens fictícios, esse tipo de obra pode ser inocente, quase um escapismo para aqueles fãs cujo casal favorito não acontece nas telas. O problema, no entanto, é quando esse tipo de produção vai "longe demais", mexendo com celebridades e artistas e distorcendo a imagem de pessoas reais. Esse é o caso de After, série de livros publicada em 2014 que veio diretamente do Wattpad, o mais famoso aplicativo literário da atualidade. Na história real, a autora Anna Todd escreveu um romance que é a pura nata do clichê adolescente, entre a protagonista Tessa e Harry Styles, ex-integrante da boyband One Direction.

Após um enorme sucesso na plataforma virtual, Anna Todd viu a oportunidade de publicar sua ficção de fã em livros físicos, e com ainda mais sucesso, After foi adaptada para as telas do cinema em 2019. Agora, a história está prestes a ganhar uma sequência nesta quinta-feira (11), no Amazon Prime Video.

Atenção! A partir daqui o texto contém spoilers sobre After. Leia por sua conta e risco.

Josephine Langford e Hero Fiennes Tiffin protagonizam After (Imagem: Divulgação / Voltage Pictures)

Fanfics normalmente são escritas por adolescentes cujas expectativas amorosas giram em torno de um mundo e um relacionamento ideal que lhes foram ensinadas através de obras irreais, sejam livros, séries ou filmes. After, por sua vez, consegue englobar e retratar todo tipo de clichê existente no gênero, beirando inclusive o problemático. A história acompanha a jovem Tessa Young (Josephine Langford, que recentemente interpretou a cheerleader Emma em Moxie), uma garota de 18 anos que está prestes a viver o sonho de ir para a universidade, longe da mãe e da casa em que viveu. Educada, responsável, doce e recatada, Tessa é o produto perfeito de uma educação autoritária de anos da mãe solteira, além de namorar desde a infância o querido Noah (Dylan Arnold), com quem nunca tentou nada além de beijos e mãos dadas.

Narrado em primeira pessoa desde sua cena inicial, o espectador acompanhará a jornada de Tessa e o instante em que ela rompe a barreira da vida inocente que levou até o momento de ingresso na faculdade e entra num mundo em que as pessoas ao seu redor consomem álcool, usam drogas e fazem sexo. Tudo começa com sua colega de quarto, Steph (a estreante Khadijha Red Thunder), que é estereotipada até o último fio de cabelo como uma "garota rebelde", o oposto da protagonista, e servirá de ponte para que Tessa conheça Hardin (Hero Fiennes Tiffin, de Harry Potter e o Enigma do Príncipe), o garoto com quem troca carícias no pôster do filme.

Tessa Young, jovem, estudiosa e recatada (Imagem: Divulgação / Voltage Pictures)

Valentão, bonito e bad boy, o personagem de Hardin grita "problema" em cada uma de suas características, seja pelo olhar que lança na novata, na voz rouca e proferida em baixo tom, jaqueta de couro ou nas tatuagens que estampam sua pele. O garoto é a personificação de "ideal" que as mulheres têm, desde crianças, expectativas de conhecer algum dia. Misterioso daquele jeito, como não ficar intrigada, não é mesmo? E é claro que a jovem e inocente Tessa cai em seu joguinho, dando início a uma história de amor clichê, mas cheia de paradigmas problemáticos.

Há certas coisas que o cinema "ensinou errado" para mulheres quando o assunto são relacionamentos com homens. Uma delas, que em After acaba ficando latente, é a ideia de que "mulheres certas mudam caras errados". Não importa se ele é um péssimo aluno, mulherengo ou até mesmo um criminoso: se encontrar a garota certa e "boa moça", seu lado bom aflorará e então eles poderão viver o mais lindo dos romances, felizes para sempre.

Hardin, o bad boy mulherengo, misterioso e bonitão (Imagem: Divulgação / Voltage Pictures)

Hardin é um garoto rebelde e Tessa é estudiosa que se encaixa nessa ideia patriarcal de "boa moça". A história compra esse clichê desde seu minuto inicial, mas é equivocado afirmar que o casal principal limita-se a ser problemático nesse único aspecto. O garoto, que possui questões familiares, acaba canalizando sua dor e traumas na postura de bad boy, o que no fim o faz apostar com seus amigos a virgindade da protagonista, reforçando a ideia de que mulheres são como figurinhas a serem colecionadas.

Tudo isso, no entanto, é transmitido de uma maneira tão natural na tela, sem questionamentos, que a romantização acontece imediatamente. A postura de Hardin em suas atitudes "fui um babaca, mas me apaixonei" podem ser usadas de forma quase didática ao explicar a representação de uma masculinidade tóxica. Misturado ao roteiro raso, After vai muito além da mediocridade e entra no campo da problematização.

Os amigos de Tessa e Hardin, tão opacos que mal são lembrados pelo espectador (Imagem: Divulgação / Voltage Pictures)

Como se não bastasse, a "história de amor" entre Tessa e Hardin, tirada de uma idealização de qualquer adolescente imatura, não é capaz de sustentar a própria história, nem mesmo para o espectador ter vontade de terminar o filme. Josephine Langford e Hero Fiennes Tiffin tentam fazer um bom trabalho na tela e isso é claro, mas nem mesmo as mais clichês cenas românticas, como juras de amor embaixo da chuva e a tensão sexual do casal nadando num lago, são capazes de entreter o público, tornando After um título facilmente esquecível.

After terá sua sequência lançada nesta semana (Imagem: Divulgação / Voltage Pictures)

No final das contas, o filme acaba tendo o objetivo de entreter aos fãs da série literária ou agradar aqueles que já não possuem altas expectativas para a história, que atinge os mínimos requisitos possíveis. Sabe-se, no entanto, que além do lançamento de After - Depois da Verdade nesta quinta-feira (11) no Prime Video, há mais dois filmes planejados para a franquia, resultando em uma adaptação para cada livro da série de Anna Todd.

After está disponível no Prime Video.

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.