Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

10 melhores filmes LGBTQIA+ na HBO Max

Por| Editado por Jones Oliveira | 30 de Junho de 2022 às 10h00

Link copiado!

Hulu Originals, Big Beach Films, FilmNation Entertainment
Hulu Originals, Big Beach Films, FilmNation Entertainment

As plataformas de streaming têm investido cada vez mais em produções LGBTQIA+. Essa mudança busca trazer mais representatividade para seus catálogos e atingir um nicho específico. A HBO Max não ficou de fora dessa e traz diversas opções de séries, filmes e documentários.

Entre elas estão o premiado (e vencedor do Oscar) Moonligth, e o drama francês Colette. Pensando nisso, o Canaltech listou os 10 melhores filmes com a temática para você ver.

10. Unpregnant

Continua após a publicidade

O filme conta a história de Veronica (Haley Lu Richardson), uma garota de 17 anos que descobre que está grávida e, junto de sua ex-melhor amiga de infância, Bailey (Barbie Ferreira), viaja até o Novo México para poder dazer um aborto legalizado e sem o consentimento de seus pais.

A obra aborda temas como sexismo, masculinidade, fanatismo religioso e aborto legalizado. O destaque do arco LGBT fica por conta de Bailey e Kira.

9. The Normal Heart

Essa obra traz Mark Ruffalo no papel de Ned Weeks, um ativista gay que tenta conscientizar as pessoas sobre a epidemia de AIDS, mas que devido ao seu jeito temperamental acaba afastando até mesmo os aliados nessa luta.

A história se passa em Nova York, na década de 1980, e traz no elenco nomes como Jim Parsons (The Big Bang Theory), Julia Roberts e Matthew Bomer. O enredo é inspirado na peça autobiográfica de Larry Kramer.

8. Larry Kramer: no amor e na raiva

Continua após a publicidade

Já que falamos em Larry Kramer, nada melhor que um documentário sobre sua vida. O autor e ativista foi peça fundamental na luta dos direitos da comunidade LGBTQIA+ nos Estados Unidos, mas seu temperamento instável dificultou o sucesso na causa. Ainda assim, morreu rodeado de amigos aos 84 anos em 2020.

O autor assina livros como The American People, Salvation Boulevard: A Novel e The Normal Heart (sem tradução para o português). O último inclusive inspirou o filme de mesmo nome citado acima.

7. Transhood: Crescer Transgênero

Continua após a publicidade

Outro documentário que vale a pena, é o Transhood. Ele acompanha a vida de quatro jovens transgêneros e suas famílias ao longo de cinco anos.

A produção foi gravada no Kansas, nos Estados Unidos, e mostra os protagonistas com idades diferentes (com 4, 7, 12 e 15 anos no início das filmagens) e em distintos momentos de suas vidas.

Ao mesmo tempo que mostra o crescimento de cada jovem e as dificuldades deles em lidarem com rejeição, mudança corporal e a política conservadora que visa invalidar os direitos dos LGBTQIA+, o documentário também retrata a vida dos pais; suas dúvidas e erros na criação de seus filhos.

Continua após a publicidade

6. A Vida Depois

Esse longa de 2021 escrito e dirigido por Megan Park, conta a história de duas estudantes do ensino médio que se aproximam durante uma tragédia na escola. Após o ocorrido, elas se tornam amigas e buscam força uma na outra para enfrentar o luto.

O filme retrata o esforço de cada uma em tentar ressignificar a dor do episódio traumático em uma mudança positiva em suas vidas e no mundo. No elenco estão Julie Bowen, Shailen Woodley, Maddie Ziegler e Niles Fitch, além de Jenna Ortega (a Wandinha).

Continua após a publicidade

5. Gia- Fama e Destruição

Com Angelina Jolie no elenco dando vida à protagonista Gia, esse filme que é narrado em tom de documentário, mostra a jovem da Filadélfia se mudando para Nova York para tentar a vida como modelo. Ela acaba sendo bem sucedida e se consagrando como uma das top models mais requisitadas do mundo e estampando revistas como Vogue e Cosmopolitan.

Acontece que junto dessa fama, vem uma paixão por uma mulher chamada Linda (Elizabeth Mitchell). Esse romance somado às inseguranças com a família e aos problemas de sua vida, a transformam em uma viciada em heroína, o que culmina em sua decadência.

Continua após a publicidade

4. Alguém Avisa?

Nessa comédia estrelada por Kristen Stewart (Crepúsculo) e Mackenzie Davis (Os Órfãos) conhecemos Abby e Harper, duas garotas que namoram e vivem tranquilamente. Tudo muda quando Abby vai conhecer a família da namorada durante o jantar de Natal e decide pedi-la em casamento. Acontece que, além de não saber que Harper é lésbica, a família dela é bastante conservadora.

A partir desse ponto, várias divergências familiares acontecem, incluindo uma briga entre irmãs, o que garante algumas risadas. Dirigido por Cleo DuVall, a obra se consagra como um bom filme de Natal, trazendo mensagens de auto-aceitação e amor próprio.

Continua após a publicidade

3. O Jogo da Imitação

Um dos filmes aclamados pelo público e pela crítica, esse longa de época se passa em 1939 e conta a história real de Alan Turing (Benedict Cumberbatch, indicado ao Oscar pela sua atuação), um jovem gênio recrutado pela agência de inteligência britânica MI6.

Seu trabalho é, junto a outros matemáticos, tentar entender os códigos nazistas para salvar as tropas aliadas. Eles precisam, inclusive, decodificar o "Enigma" um dos códigos considerado inquebrável.

Continua após a publicidade

Enquanto sua equipe trabalha nisso, Turing constrói uma máquina para decodificá-lo e, após muitas tentativas, finalmente consegue o resultado desejado. Assim, consagra-se como herói. Acontece que, em 1952, autoridades revelam que ele é homossexual, e sua vida acaba se tornando um pesadelo.

O Jogo da Imitação, dirigido por Morten Tyldum, é uma adpatação do livro Alan Turing:The Enigma (sem tradução). Teve oito indicações ao Oscar, sendo quatro nas principais categorias (diretor, ator, roteiro adaptado e filme).

2. Joe Bell

Continua após a publicidade

Esse é outro drama inspirado em uma história real, e mostra um pai proletário, Joe Bell (Mark Wahlberg), que, após perder seu filho para o suicídio devido ao bullying colegial, decide sair em uma caminhada solo nos Estados Unidos. Seu intuito é conscientizar as pessoas sobre os efeitos da homofobia.

Dirigido por Reinaldo Marcus Green e estrelado por Mark Wahlberg, o longa é capaz de emocionar até os mais durões. Ele foi exibido durante o Festival de Toronto, em setembro de 2020, e recebeu muitos elogios. Vale lembrar, no entanto, que como a obra aborda a temática de suicídio, bullying e homofobia, pode ser sensível para algumas pessoas.

1. Meu Nome é Ray

Continua após a publicidade

Nesse longa, conhecemos Ray (Elle Fanning), um menino que nasceu mulher, mas nunca se identificou com o gênero. Ele decide, então, fazer uma cirurgia de redesignação, mas como é menor de idade tem que lidar com a hesitação da sua mãe sobre esse grande passo e com a recusa de seu pai em assinar os papéis de autorização.

O filme de 2016, dirigido por Gaby Dellal, aborda um tema ainda muito polêmico de maneira sutil e bonita. Ele foca não apenas no dilema do protagonista, mas nas relações familiares e a dificuldade de aceitação.