Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Os 10 maiores prejuízos da história do cinema

Por| Editado por Durval Ramos | 08 de Abril de 2024 às 11h21

Link copiado!

Divulgação/Universal Pictures e Disney
Divulgação/Universal Pictures e Disney

Que o cinema é uma indústria cara não é segredo para ninguém. No entanto, existem alguns filmes que foram verdadeiras bombas de bilheteria, passando longe de dar lucro ou mesmo pagar seus custos e se transformando em enormes prejuízos para suas produtoras. Um rombo no cofre que todo estúdio quer evitar a todo custo, mas que é quase inevitável uma vez ou outra. Uma realidade que não perdoa nem as grandes produtoras e nem mesmo aquelas franquias tidas como clássicas.

É o caso de Indiana Jones e a Relíquia do Destino, filme lançado em 2023 que teve um alto orçamento de produção e de marketing, custos que o transformaram no mais caro da história da franquia. Na verdade, os US$ 387 milhões gastos para a despedida do herói superam até mesmo o custo de grandes títulos de Hollywood. Com isso, apenas um estouro de bilheteria poderia dar um retorno satisfatório aos cofres da Disney — o que não aconteceu.

Continua após a publicidade

Embora tenha faturado US$ 384 milhões nos cinemas em todo o mundo, o último filme de Harrison Ford de chapéu e chicote arrecadou muito menos do que precisava para se pagar, gerando um prejuízo astronômico de US$ 134,2 milhões para a Disney.

A produção, no entanto, está longe de ser a única a fazer “feio” nas bilheterias. Na verdade, esse rombo nem mesmo está entre os maiores prejuízos que a indústria cinematográfica já viu. E olhe que a Disney é uma especialista em apostar em ideias que custam muito, mas não dão nenhum retorno.

Para relembrar outros títulos que também foram mal nas telonas, o Canaltech listou os maiores prejuízos da história do cinema. Um hall de filmes que definitivamente deram muita dor de cabeça para seus produtores.

10. Rei Arthur: A Lenda da Espada

Nem a presença de Guy Ritchie como diretor de Rei Arthur: A Lenda da Espada fez com que o filme de 2017 se saísse bem nas telonas. Amargando um prejuízo de mais de US$ 180 milhões, o título deu tão errado que suas sequências foram canceladas, fazendo a Warner Bros e a Village Roadshow abandonarem a ideia de expandir a franquia com mais cinco filmes. Depois dessa bomba, ninguém nunca mais tocou no assunto.

Estrelado por um Charlie Hunnam embabalado no sucesso de Sons of Anarchy e baseado nas lendas arturianas, o épico de aventura e fantasia segue os passos de Arthur, um jovem que mora nas ruas de Londinium sem saber de suas origens. Um dia, porém, ao retirar uma espada mágica de uma pedra, seu destino é revelado e Arthur precisa aprender a dominar seus poderes para brigar pelo trono que é seu por direito.

Continua após a publicidade

Rei Arthur: A Lenda da Espada está disponível na Max.

9. Tomorrowland - Um Lugar Onde Nada é Impossível

Ficção científica da qual poucas pessoas se lembram, Tomorrowland - Um Lugar Onde Nada é Impossível é um filme de 2015 dirigido por Brad Bird (Os Incríveis) e o primeiro de vários filmes da Disney a aparecer nesta lista. Apadrinhado com um título que faz homenagem a uma das áreas temáticas dos parques da empresa, o filme arrecadou pouco mais de US$ 200 milhões de bilheteria, gerando uma despesa de US$ 185 milhões para a companhia.

Continua após a publicidade

Co-escrito por Damon Lindelof, famoso por títulos como Watchmen e The Leftovers, o filme segue os passos de uma adolescente que, após encontrar um broche mágico, vai parar em uma realidade alternativa — um lugar perdido no tempo e espaço com invenções tecnológicas e enigmáticas. Para voltar ao local pelo qual ficou encantada, ela busca ajuda de um homem que já esteve lá, mas que agora vive de maneira reclusa do resto da sociedade.

Tomorrowland - Um Lugar Onde Nada é Impossível pode ser visto no Disney+.

8. Peter Pan

Continua após a publicidade

Nem mesmo histórias já famosas, que teoricamente teriam um público “garantido” estão livres de uma roubada. Peter Pan, prequel do clássico conto infantil, focado na história de origem do menino que não queria crescer, arrecadou muito menos do que o esperado, rendendo um rombo de mais de US$ 185 milhões para a Warner Bros.

Lançado em 2015 com um orçamento de US$ 150 milhões, o filme fazia parte da chamada Black List de Hollywood, pesquisa que seleciona roteiros com potencial, mas ainda não produzidos. E logo ficou claro do porquê: a história do órfão Peter e outras crianças de um orfanato em Londres que são sequestradas e levadas para a Terra do Nunca em plena Segunda Guerra Mundial era algo que ninguém tinha muita vontade de ver.

Peter Pan faz parte do catálogo da Max.

Continua após a publicidade

7. Mundo Estranho

Provando que nem mesmo as animações estão isentas de se darem mal nas bilheterias, Mundo Estranho, da Disney, rendeu um prejuízo de mais de US$ 190 milhões para a empresa. Dirigido por Don Hall, o título de ficção científica foi inspirado em clássicos como Viagem ao Centro da Terra e Jurassic Park, mas sofreu boicotes e foi retirado de vários cinemas por contar com o primeiro romance abertamente LGBTQ da Disney.

Só que a representatividade não é o problema. O ponto é que o desenho é chato mesmo. Lançado em 2022, o título gira em torno dos Clade, uma família de exploradores que durante uma viagem por uma misteriosa terra subterrânea, descobre uma planta milagrosa que serve como fonte de energia para a sociedade em que vivem. Divididos sobre como proceder com a descoberta, eles acabam brigando e seguindo caminhos opostos, um distanciamento que dará origem a consequências muito maiores dali 25 anos.

Continua após a publicidade

Mundo Estranho está disponível no Disney+.

6. Sinbad - A Lenda dos Sete Mares

Outra animação tida como um fracasso de bilheteria é Sinbad - A Lenda dos Sete Mares, produção de 2003 da DreamWorks que, considerando os ajustes de inflação do período, rendeu um prejuízo de US$ 199 milhões para a empresa. Na época, o rombo foi tamanho que a companhia, já em dificuldades financeiras, quase foi à falência e decidiu abandonar de vez as animações tradicionais, adotando o 3D.

Continua após a publicidade

Com vozes de Brad Pitt, Catherine Zeta-Jones e Michelle Pfeiffer, o título segue os passos de Sinbad, um marujo festeiro que vive em aventuras pelos sete mares. Um dia, o protagonista encontra um livro valioso, que desperta a ira dos deuses do Olimpo e faz com que as figuras mitológicas condenem Proteus, seu melhor amigo à morte, caso Sinbad não devolva a obra exatamente onde a encontrou.

Sinbad - A Lenda dos Sete Mares está disponível para compra e locação na Amazon, iTunes e Google Play.

5. A Ilha da Garganta Cortada

Continua após a publicidade

Longa-metragem de aventura e ação de 1995, A Ilha da Garganta Cortada é um filme que chegou a figurar no Guinness Book como um dos maiores fracassos de bilheteria de todos os tempos. Estrelado por Geena Davis e Matthew Modine, o título teve um prejuízo de mais de US$ 200 milhões (ajustados de acordo com a inflação), em grande parte por suas gravações caóticas, que ultrapassaram muito de seu orçamento original.

Ambientado no século 17, o título gira em torno de Morgan, uma pirata aventureira e muito decidida que decide embarcar em uma missão para encontrar um antigo tesouro. Apenas com um terço do mapa nas mãos, a ajuda de um prisioneiro que entende latim e sua fiel tripulação, Morgan parte então em uma aventura pelos sete mares, em que tem de lidar com outros inimigos, que buscam a mesma riqueza que ela.

A Ilha da Garganta Cortada não está disponível em nenhuma plataforma digital.

4. Máquinas Mortais

Continua após a publicidade

Steampunk pós-apocalíptico que chegou aos cinemas em 2018, Máquinas Mortais é um filme baseado no romance de mesmo nome escrito por Philip Reeve. Co-escrito por Peter Jackson, que comprou os direitos da produção e trouxe vários membros de O Senhor dos Aneis e de O Hobbit para seus bastidores, o filme foi um tremendo fracasso de bilheteria, amargando uma perda de US$ 204 milhões para as produtoras envolvidas.

Bastante criticado também pela mídia especializada, o filme é ambientado em um futuro distante em que a Terra foi praticamente destruída e as cidades, em guerras constantes por recursos naturais, estão agora montadas sobre rodas. Nesse cenário, Londres é vítima de um ataque e o jovem Tom é lançado para fora da localidade, tendo que juntar forças com uma fora-da-lei para sobreviver.

Máquinas Mortais pode ser visto no Amazon Prime Video e no Globoplay.

Continua após a publicidade

3. O 13º Guerreiro

Filme de ação e ficção histórica baseado em um romance de Michael Crichton, O 13º Guerreiro é um longa-metragem de 1999 lembrado até hoje por seu péssimo desempenho nas telonas. Estrelado por Antonio Banderas, ele teve um surpreendente prejuízo de US$ 227 milhões, devido em grande parte ao estouro do orçamento original e má recepção da crítica.

Dirigido por John McTiernan, o título é ambientado em 922 e segue os passos de Ahmad ibn Fadlan, um poeta que é enviado para longe de sua terra natal por ter se apaixonado pela mulher errada. Em paragens distantes, ele acaba se envolvendo em uma batalha a qual não pertence e que coloca guerreiros de um lado e inimigos sobrenaturais, que comem carne humana, de outro.

O 13º Guerreiro pode ser assistido no Star+ e no Looke.

2. O Cavaleiro Solitário

Mais um fracasso colossal da Disney, O Cavaleiro Solitário é um filme de ação e faroeste baseado no personagem de mesmo nome — um fictício ex-Texas Ranger mascarado, que lutou contra bandidos no Velho Oeste Americano. Lançado em 2013, ele chegou a ser indicado em duas categorias do Oscar (Melhores Efeitos Visuais e Melhor Maquiagem e Penteado), mas provocou um rombo de US$ 240 milhões nos cofres da companhia.

Desenvolvido a partir das memórias do narrador, interpretado por Johnny Depp, o longa-metragem se passa no Texas de 1869, quando o advogado John quase morre em uma emboscada dos capangas de Butch Cavendish. Despertado como um caminhante espiritual e auxiliado por um índigena que decide lutar ao seu lado, ele assume a personalidade de uma figura mascarada em busca de vingança.

A ideia da Disney era aproveitar o apelo que Depp ainda tinha na época graças à Piratas do Caribe e ressuscitar uma franquia que foi muito famosa na década de 1950. O problema era que ninguém se interessou em ver o "Jack Sparrow nativo-americano" que o ator interpretou. Isso sem falar que os fãs do seriado original já estavam velhos demais para se empolgar com esse revival.

Um fato curioso é que, no Brasil, ninguém associou O Cavaleiro Solitário com a série, já que o programa de TV clássico chegou aqui com o nome de Zorro. É claro que isso não foi fator algum para justificar o fracasso do longa, mas é mais um caso pitoresco nesse prejuízo todo.

O Cavaleiro Solitário pode ser visto no Disney+.

1. John Carter - Entre Dois Mundos

Maior prejuízo financeiro da história do cinema, John Carter - Entre Dois Mundos é um filme de aventura e ficção científica baseado no primeiro livro de uma série escrita por Edgar Rice Burroughs, o criador do Tarzan. A obra orginal é considerada um dos pilares do sci-fi que conhecemos hoje e, por isso mesmo, a Disney apostou bastante no projeto — o problema é que ninguém deu muita bola para isso quando o longa chegou.

Custando impressionantes US$ 250 milhões — mais do que o primeiro Vingadores, que saiu no mesmo ano custando US$ 220 milhões —, o que teve enorme influência no rombo de sua bilheteria, o título teve ainda uma campanha de marketing bastante controversa, não sabendo se vendia o filme como uma aventura de super-herói ou como um sci-fi e apostando em uma popularidade inexistente do personagem. Isso tudo resultou em uma perda de US$ 255 milhões para a Disney.

Lançado em 2012 e protagonizado por Taylor Kitsch, o longa-metragem conta a história de John Carter, um ex-capitão do Exército Confederado da Guerra Civil Americana que morre na Terra, mas ressuscita em Marte. Envolvido em uma guerra civil do planeta vermelho, habitado por estranhas criaturas, ele se torna a única esperança da princesa Deja Thoris para salvar o seu mundo.

John Carter - Entre Dois Mundos faz parte do catálogo do Disney+.

Fonte: Screen Rant