Publicidade

Henry Cavill vai voltar como Superman no DCEU após manobra de The Rock

Por| Editado por Jones Oliveira | 19 de Outubro de 2022 às 14h00

Link copiado!

Warner Bros
Warner Bros

As preces dos fãs da DC foram atendidas e Henry Cavill deve mesmo voltar a interpretar o Superman em breve. Depois de um longo período na geladeira, o ator deve voltar a vestir a icônica capa vermelha possivelmente para trazer o já lendário Homem de Aço 2, sequência do filme de 2013 e que apresentou o astro como Clark Kent pela primeira vez.

De acordo com o The Hollywood Reporter, a nova gestão da Warner Discovery comandada por David Zaslav está muito interessada em revitalizar o Universo Cinematográfico da DC (DCEU, na sigla em inglês) e isso passaria por um novo filme do Superman estrelado por Cavill. E, ao que parece, o estúdio já está se movimentando para tirar isso do papel.

Tanto que Charles Roven já foi escalado para produzir Homem de Aço 2. E esse é um nome de peso e que tem em seu currículo filmes como Mulher-Maravilha, O Esquadrão Suicida e a trilogia do Batman de Christopher Nolan.

Continua após a publicidade

Já em relação aos roteiros, a Warner está à procura de profissionais de peso. O preferido para isso seria Christopher McQuarrie, responsável pela franquia Missão Impossível justamente pelo belo norte e a modernização que ele deu à série. Contudo, seu compromisso com Tom Cruise também pode impedir que ele seja o cara no futuro do DCEU.

Outros planos para o Superman

Só que essa sinalização de um retorno de Henry Cavill como Superman passa por outro titã do cinema: Dwayne “The Rock” Johnson. O ator estrela Adão Negro e há tempos vem sugerindo um confronto entre o seu anti-herói e o Homem de Aço — algo que ele passou a repetir com mais frequência nas últimas semanas, dizendo que gostaria de ver os dois personagens caindo no soco em um novo filme.

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

E parte desse seu entusiasmo está no fato de que ele teria sido um dos responsáveis por garantir o retorno de Cavill. Segundo o THR, The Rock foi fundamental nessa volta do ator, já que ele queria que o Superman aparecesse em algum momento de Adão Negro — o que teria sido negado pelo chefe da DC Films, Walter Hamada, que tinha outros planos para o herói.

Eis que o próprio The Rock não teria ficado satisfeito com a negativa e recorreu às instâncias superiores. Assim, ele fez o pedido para Michael De Luca e Pam Abdy, chefes de toda a Warner Bros Pictures, que deram sinal verde para o regresso de Cavill e seu Superman.

Falta de organização

Continua após a publicidade

Aliás, o próprio Johnson já vem declarando que quer ter mais espaço dentro da construção desse DCEU. Durante o evento de lançamento de Adão Negro, o ator falou que gostaria de ser um dos conselheiros para ajudar a construir o futuro desse universo de super-heróis. “A DC está em meu sangue”, aponta The Rock. “Eu estou aqui para ajudar no que for possível, incluindo procurar e encontrar o líder ou líderes para isso”.

E é justamente essa ausência de uma liderança no comando do DCEU que vem preocupando fãs e o pessoal da própria Warner. Embora a manobra de Johnson para garantir o retorno de Cavill seja vista com bons olhos pelos fãs que queria ver seu Superman de volta, isso denota uma falta de organização hierárquica em um dos maiores estúdios do cinema que reflete na ausência de um norte em suas produções.

Assim, enquanto The Rock pode conduzir o DCEU para um lado em que Adão Negro e Superman serão obrgados a se enfrentar, restam dúvidas de como isso tudo vai dialogar com o que The Flash, Aquaman e o Reino Perdido e Shazam! Fúria dos Deuses vão apresentar, já que são filmes quase prontos. Isso sem falar de projetos como The Batman 2 e Coringa 2, que seguem por um caminho muito mais solto.

Continua após a publicidade

Tanto que fontes ligadas à Warner já falaram ao THR que essa falta de uma liderança clara já vem sendo sentida no estúdio, que se tornou um grande cada um por si: “Todo mundo está tentando pegar o máximo que pode para si — e é isso o que acontece quando há um vácuo de poder”.