Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Batgirl era ruim demais para ser lançado, diz chefe do DCU

Por| Editado por Jones Oliveira | 02 de Fevereiro de 2023 às 14h27

Link copiado!

Reprodução/Warner Bros.
Reprodução/Warner Bros.
Tudo sobre Warner Bros

O co-CEO do DC Studios Peter Safran revelou que o cancelamento do filme da Batgirl foi uma decisão acertada por parte da Warner Bros para evitar estragos muito maiores à imagem da empresa e dos próprios profissionais. Segundo o executivo, que é um dos responsáveis pelo novo Universo Cinematográfico da DC (DCU, na sigla em inglês), o longa da heroína adolescente era ruim em um nível que não poderia ser lançado.

Durante a coletiva de imprensa em que ele e James Gunn apresentaram os primeiros projetos do Capítulo 1 do DCU, Safran foi questionado se não haveria a possibilidade de o DC Studios incorporar projetos como Batgirl. O longa estava sendo desenvolvido para a HBO Max e foi arquivado mesmo já tendo sido filmado e estando em pós-produção.

Continua após a publicidade

O executivo explicou que a decisão pelo fim do filme foi tomada antes de ele ter sido contratado para comandar o estúdio ao lado de Gunn, mas que ele apoia a decisão tomada pelo presidente da Warner Discovery, David Zaslav, a qual ele classificou como ousada e corajosa. Ainda assim, ele disse que chegou a assistir ao filme e que o que viu era bastante problemático.

“Havia pessoas incrivelmente talentosas em frente e por trás das câmeras”, afirmou Safran em entrevista ao The Wrap. “Mas aquele filme não tinha como ser lançado. Acontece”. Segundo ele, a decisão de impedir que Batgirl chegasse ao streaming foi acertada para evitar um estrago muito maior à imagem da DC e dos próprios envolvidos no projeto.

Sem entrar em detalhes, o executivo apenas disse que essa avaliação diz respeito apenas àquilo que ele viu nas exibições-teste e não tem nada a ver sobre o que ele pensa do elenco e da equipe responsável pelo filme. Tanto que ele e James Gunn chegaram a entrar em contato com os diretores Adil El Arbi e Bilall Fallah e a roteirista Christina Hodson para discutir possíveis trabalhos no futuro do DCU.