Descoberta de 500 estruturas cerimoniais no México muda compreensão dos maias

Descoberta de 500 estruturas cerimoniais no México muda compreensão dos maias

Por Wyllian Torres | Editado por Patrícia Gnipper | 26 de Outubro de 2021 às 12h27
Takeshi Inomata

No ano passado, cientistas anunciaram a descoberta de Aguada Fénix, o maior e mais antigo monumento da civilização maia, localizado na cidade mexicana de Tabasco. Agora, um estudo conduzido pela Universidade do Arizona revela que a estrutura não está sozinha na região, sendo acompanhada por quase 500 outras estruturas menores que também podem remontar a um povo mesoamericano, anterior aos maias — os olmecas. Esta pode ser a descoberta de um elo perdido entre ambas as civilizações.

A pesquisa, liderada pelo antropólogo Takeshi Inomata, da Universidade do Arizona, revisou os mesmos dados que levaram à descoberta de Aguada Fénix no passado. Graças ao LiDAR (Light Detection And Ranging), que mapeia o solo com lasers e revela estruturas tridimensionais submersas na vegetação, Inomata e sua equipe detectaram ao menos 478 complexos cerimoniais. As estruturas estavam espalhadas pelos estados mexicanos de Tabasco e Veracruz.

As figuras "a" e "c" revelam as estruturas da cidade olmeca San Lorenza, enquanto "b" e "d" são do complexo maia Aguada Fénix (Imagem: Reprodução/Takeshi Inomata et al.)

A maior parte das novas estruturas descobertas são bem menores em relação à Aguada Fénix, que mede cerca de 1.400 metros em sua maior extensão. No entanto, os pequenos complexos indicam um mistério maia até então não compreendido. Segundo os pesquisadores, a antiga cidade olmeca de San Lorenzo, que data de 1.150 a.C., pode ter sido uma referência para que os maias construíssem seus monumentos.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

O antropólogo explicou que, por muito tempo, pensava-se que San Lorenzo fosse um centro urbano antigo único e distinto na região, mas o novo estudo revela que a cidade olmeca é muito parecida com Aguada Fénix — uma praça retangular cercada por pequenas plataformas. “Isso nos diz que San Lorenzo é muito importante para o início de algumas dessas ideias que foram posteriormente utilizadas pelos maias", acrescentou Inomata.

Sem a tecnologia LiDAR, Aguada Fénix fica escondida pela vegetação local (Imagem: Reprodução/Takeshi Inomata)

Esta informação pode ser o elo perdido entre estas duas civilizações distintas, que, na maior parte de suas existências, viveram em diferentes momentos da história da Mesoamérica. Os olmecas teriam prosperado no que é chamado período formativo (2.000 a.C. a 250 d.C),  enquanto os maias teriam vivido no período clássico (250 d.C. a 900 d.C.).

O padrão retangular e suas variantes, chamados pela equipe de Middle Formative Usumacinta (MFU), sugerem que tanto as interações, quanto as influências entre os olmecas e os maias, foram bem mais complexas e diversificadas do que se pensava até então. Além dos dados do LiDAR, os pesquisadores visitaram 62 locais da região, que datam de 1.050 a 400 a.C., que parecem terem sido espaços para rituais.

Mapa apontando os 478 locais de cerimônias descobertos pelo LiDAR (Imagem: Reprodução/Takeshi Inomata et al.)

Alguns destes locais são projetados para se alinhar com o nascer do Sol, bem como outros eventos dos calendários mesoamericanos, indicando que os rituais apresentam conceitos cosmológicos também atrelados às estações do ano. O debate de longa data sobre a influência dos olmecas sobre os maias parece agora estar mais próximo de um denominador comum. "Portanto, nosso estudo se concentra em uma área-chave entre os dois", disse Inomata.

O estudo foi publicado na revista Nature Human Behavior.

Fonte: ScienceAlert

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.