5 motivos para NÃO comprar o Volvo C40 Recharge

5 motivos para NÃO comprar o Volvo C40 Recharge

Por Felipe Ribeiro | Editado por Jones Oliveira | 12 de Junho de 2022 às 09h30
Felipe Ribeiro/ Canaltech

O Volvo C40 Recharge chegou ao Brasil com a proposta de ser uma alternativa ao também recém-lançado Volvo XC40 Pure Electric. E, como era de se esperar, os dois SUVs compartilham praticamente as mesmas valências e eventuais pormenores que possam fazer com que você não opte pela compra dele.

Mesmo sendo um carro quase perfeito, existem alguns aspectos que podem te afastar dele, principalmente por se tratar de um veículo 100% elétrico, sujeito à falta de infraestrutura no Brasil.

Com isso em mente, o Canaltech listou 5 motivos para você NÃO comprar o Volvo C40 Recharge.

5. Porta-malas

Diferente do que acontece com o Volkswagen Nivus, a carroceria coupé não ajudou muito o Volvo C40 quando pensamos em volume de porta-malas. Segundo os dados da montadora, sua capacidade é de 413 litros, um litro a menos do que o XC40, que tem formado mais "jipado".

Se levarmos em conta seu caimento, o espaço foi prejudicado e evita que coloquemos alguns objetos mais altos no bagageiro, algo que já é mais bem administrado no XC40.

O bagageiro do Volvo C40 poderia ser melhor aproveitado (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

4. Espaço para a cabeça

A carroceria coupé do C40 Recharge o deixou lindo, é verdade, mas acabou prejudicando um pouco o espaço para a cabeça na fileira de trás. Pessoas mais altas sentirão mais dificuldade de adaptação no local, mesmo com o teto panorâmico dando uma sensação de amplitude à cabine.

Caimento do Volvo C40 prejudica um pouco o espaço para a cabeça na fileira de trás (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

3. Visibilidade traseira

A carroceria coupé, como dissemos, deixou o visual do C40 Recharge muito atraente, mas cobrou seu preço por isso. Apesar de o carro contar com aparatos tecnológicos que auxiliam o motorista nas ruas, como o sensor de ponto cego e o alerta de tráfego cruzado traseiro, nada substitui aquela boa olhada no retrovisor — aí é que vem a novidade.

Por ter esse caimento mais acentuado, o vidro traseiro do carro da Volvo ficou menor, prejudicando a visibilidade. Prova disso é que a montadora instalou encostos de cabela dobráveis para ajudar um pouquinho.

Solução da Volvo para a visibilidade traseira do C40 foi boa, mas pode não ser suficiente (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

2. Apple CarPlay

Assim como aconteceu no Volvo XC40 Pure Electric, o Volvo C40 Recharge também não é equipado com o Apple CarPlay. Isso acontece porque ambos os SUVs são munidos do Android Automotive, o sistema operacional do Google exclusivo para carros.

Embora seja excelente, esse sistema te "força" a ter sua vida presa ao Google, algo que usuários da Apple, notadamente entusiastas de seus aparelhos, não devem gostar nada. A Volvo, porém, promete corrigir esse problema em breve.

O Android Automotive ajuda muito o motorista, mas usuários da Apple certamente não se sentem à vontade com ele (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

1. Carregamento

Por mais que a Volvo já tenha anunciado um investimento milionário em carregadores pelo Brasil, a infraestrutura ainda pode ser uma vilã na hora de ter um carro 100% elétrico como o C40 Recharge. Essa situação pode ser mais grave em regiões interioranas do país, onde a oferta de estações de recarga é menor do que em uma cidade como São Paulo ou Rio de Janeiro, por exemplo.

No caso do SUV coupé sueco, sua autonomia é até maior do que a do Volvo XC40 por conta justamente do formato coupé e do menor coeficiente aerodinâmico, mas é sempre necessário levar em conta a infraestrutura de carregamento na hora de comprar um carro desse tipo.

Autonomia do Volvo C40 é ótima, mas carregar exige planejamento (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.