5 motivos para NÃO comprar o Fiat Pulse

5 motivos para NÃO comprar o Fiat Pulse

Por Felipe Ribeiro | Editado por Jones Oliveira | 13 de Fevereiro de 2022 às 09h00
Felipe Ribeiro/ Canaltech

O Fiat Pulse mal foi lançado e já figura entre os 10 carros mais vendidos do Brasil, superando com folga seus rivais diretos em janeiro de 2022. A montadora italiana acertou com seu novo produto e isso já é um consenso. Entretanto, mesmo com esse cenário positivo, o crossover não é um carro perfeito.

Isso porque o Pulse ainda traz algumas coisas que poderiam ser evitadas, principalmente por seu preço. Os valores são competitivos, é verdade, mas, como se trata de um carro que já ultrapassa os R$ 100 mil em algumas versões, certas falhas são imperdoáveis.

Com isso em mente, o Canaltech listou 5 motivos para não comprar o Fiat Pulse.

5. Detalhes no acabamento

O acabamento do Fiat Pulse não é ruim e está dentro da média da categoria, mas alguns detalhes incomodam quando adentramos na cabine no SUV subcompacto da marca italiana. Alguns encaixes no painel não são bem feitos e poderiam estar com uma aparência melhor, mesmo o material sendo plástico duro.

Além disso, nas versões de entrada, o encosto dos braços é inteiro do mesmo material, sem uma região macia, tanto nos bancos da frente como de trás.

A versão Audace do Fiat Pulse tem apoios em couro, mas os modelos de entrada, não (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

4. Porta-malas

Oficialmente, a Fiat fala que o porta-malas do Fiat Pulse é de 370 litros. A questão é que a montadora italiana utiliza um método de medição que faz uso de líquidos para aferir a litragem, e não blocos. Com isso, dá a impressão que o bagageiro é bem maior do que ele realmente é.

Convenhamos, o Pulse não é grande e sua proposta não é exatamente essa, mas o porta-malas poderia, sim, ser um pouco maior.

Tamanho do porta-malas do Pulse não indica que há mesmo 370 litros (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

3. Muitos opcionais

A Fiat acertou em cheio ao colocar à disposição cinco versões do Fiat Pulse. São elas: Drive 1.3 manual, Drive 1.3 CVT, Drive 1.0 Turbo CVT, Audace e Impetus. Entretanto, com tantas variantes, seria desnecessário oferecer tantos opcionais para o carro, certo? Bem, não é o que a Fiat pensou.

Com cinco versões, a montadora poderia muito bem deixar os carros mais bem segmentados e sem a necessidade de colocar mais equipamentos gastando mais dinheiro. Com isso, por vezes, o preço real do SUV pode ser outro. É bom lembrar que, de série, todas as variantes do Pulse são bem equipadas, o que agrava ainda mais essa estratégia.

A central multimídia de 10,1 polegadas não é de série na versão Audace do Fiat Pulse (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

2. Airbags

Em pleno 2022 e com os carros custando uma fortuna, a segurança deve ser prioridade. O Fiat Pulse traz muitas tecnologias e é, sim, um SUV seguro, mas sentimos falta dos seis airbags, que não estão disponíveis nem como opcionais.

Em todas as versões do Pulse, só é possível comprá-lo com as quatro bolsas, sendo duas frontais e duas laterais com tamanho estendido. Mancada gigante!

Proteção do Fiat Pulse poderia ser um pouco maior (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

1. Espaço interno

O Fiat Argo é um dos hatches compactos com melhor espaço interno e isso é um de seus trunfos perante os concorrentes. O problema é que o Fiat Pulse se propõe a ser um SUV compacto, logo deveria ter um pouco mais de espaço para seus ocupantes no banco traseiro.

O crossover tem apenas um 1cm a mais de entre-eixos (2,53m) em comparação com seu irmão hatch, mesmo sendo feito em uma plataforma mais moderna e modular. E isso o coloca atrás dos seus principais rivais, mesmo que eles também sejam apertadinhos.

A vida de quem vai atrás no Fiat Pulse não é ruim, mas poderia ser melhor (Imagem: Felipe Ribeiro/Canaltech)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.