Publicidade

BYD usará meganavio para trazer 100 mil carros ao Brasil até julho

Por| Editado por Jones Oliveira | 31 de Maio de 2024 às 09h44

Link copiado!

Divulgação/BYD
Divulgação/BYD

A BYD está preparando uma verdadeira operação de guerra para trazer 100 mil carros elétricos para o Brasil antes de a nova alíquota de importação sobre esse tipo de automóvel entrar em vigor no país, no próximo dia 1º de julho.

O objetivo da marca chinesa é trazer o maior volume possível de carros ao mercado nacional antes que a taxação sobre os eletrificados importados suba dos atuais 10% (para os BEVs) e 12% (para os PHEVs e HEVs) para 18%, 20% e 25%, respectivamente.

Desde que a alíquota de importação voltou a vigorar no país, no dia 1º de janeiro, a BYD já conseguiu importar da China cerca de 30 mil carros, incluindo os 5.459 que chegaram recentemente no gigantesco navio da marca ao Porto de Suape, em Pernambuco. Faltam, portanto, aproximadamente 70 mil carros para cumprir a missão traçada pelo alto escalão.

Continua após a publicidade

Até o momento, por decisão estratégica da marca, os carros da BYD não sofreram impacto da volta do imposto sobre eletrificados, já que a GWM, rival direta, também não aplicou a alíquota sobre seu portfólio oferecido no Brasil. Com o novo aumento, porém, será difícil não repassar os valores ao consumidor final.

Como será a operação de guerra da BYD?

Como restam pouco mais de 30 dias para que a nova alíquota entre em vigor, a BYD terá que correr contra o tempo se quiser escapar da alta na taxação e ter volume de carros suficiente para abastecer o mercado brasileiro até o fim de 2024, pelo menos. E como a montadora pretende fazer isso?

O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

Executivos da BYD reconheceram que a ideia para colocar quase 70 mil carros no Brasil até o dia 30 de junho é ousada e de difícil execução. E vai exigir que a fabricante “adote” outros navios além do próprio, que tem capacidade para transportar até 7 mil carros por vez.

Leonardo Felipe, gerente da cadeia de suprimentos da BYD, explicou que o cronograma traçado é variável e que o Brasil pode receber navios a cada três dias ou semanalmente. A ideia é que pelo menos dez embarcações cheias aportem no país até o fim de junho e, assim, consigam trazer toda a frota que a marca quer em tempo hábil.

Os portos que hoje estão credenciados a receber os navios da BYD, além do localizado em Suape, são o de Itapoá, em Santa Catarina, e o de Vila Velha, no Espírito Santo. Caso obtenha êxito em trazer 100 mil carros ao país antes de julho, a montadora poderá fechar o ano com números espetaculares, já que vendeu, em apenas 4 meses, mais do que em 2023 inteiro: 22 mil unidades x 18 mil.

Continua após a publicidade

Com informações: Auto Esporte