Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

BYD quer comprar maior mineradora de lítio do Brasil

Por| Editado por Jones Oliveira | 10 de Abril de 2024 às 16h45

Link copiado!

Weibo/BYD
Weibo/BYD

A BYD iniciará dentro de pouco tempo a produção de seus carros elétricos e híbridos em Camaçari, na Bahia, e isso não é novidade. A fabricante chinesa, porém, também trabalha em outra vertente para não correr o risco de ficar sem uma das principais matérias-primas utilizadas na construção das baterias dos EVs: o lítio.

Segundo informações do portal britânico Financial Times, a BYD está negociando a compra da Sigma Lithium, maior mineradora de lítio do Brasil. As conversas estão sendo comandadas por Alexandre Baldy, CEO da marca no Brasil, e podem terminar de três formas, em caso de sucesso: aquisição, joint venture ou, puramente, um contrato de fornecimento do material.

A Sigma Lithium está avaliada hoje em US$ 2,9 bilhões e, por conta disso, a aquisição direta da empresa pela BYD não é a opção número 1 a ser considerada nas conversas. Uma união de forças, aparentemente, é o caminho mais viável nesse momento.

Continua após a publicidade

De acordo com o executivo da BYD, “nada é concreto” por enquanto, e tudo está na mesa para ser discutido. Do outro lado das conversas está Ana Cabral Gardner, presidente-executiva da Sigma, que esteve recentemente em São Paulo, mas preferiu não detalhar as negociações.

Musk já ficou de olho na Sigma

A Sigma não está bem avaliada no mercado por acaso. A empresa que opera a mineração de lítio no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais, tem registro em Vancouver, no Canadá, embora seus ativos estejam localizados em território brasileiro.

A crescente do mercado de carros elétricos, associada ao domínio da BYD, que recentemente superou a Tesla em vendas, fez com que o principal executivo da montadora, o bilionário Elon Musk, também mostrasse interesse na compra da Sigma. Oficialmente, porém, a empresa não confirmou que estivesse negociando com o dono do X (antigo Twitter).

Fonte: Financial Times