Companhia aérea chinesa suspende uso do Boeing 737-800 após acidente com 132

Companhia aérea chinesa suspende uso do Boeing 737-800 após acidente com 132

Por Felipe Ribeiro | Editado por Jones Oliveira | 21 de Março de 2022 às 13h05
Divulgação/Aero Icarus Switzerland/ Creative Commons

A China Eastern Airlines anunciou a interrupção das operações com o avião Boeing 737-800, um dos mais populares da Boeing em todo o mundo. A decisão vem logo após o acidente aéreo na manhã desta segunda-feira (21), na cidade de Wuzhou, que causou a morte de todos os 132 ocupantes.

A aeronave, que partiu de Kunming para Guangzhou, começou a perder altitude ainda em cruzeiro, quando, de fato, se consumou a queda. Na aviação, acidentes acontecem primordialmente nos momentos de pouso ou decolagem, quase nunca durante o voo. Justamente por isso há bastante dúvidas sobre o que realmente aconteceu com o avião.

Para a Boeing, já afetada pela recém-encerrada crise do Boeing 737 MAX, a proibição de uso do 737-800 poderá ter consequências graves, já que a fabricante ainda se recupera dos momentos em que teve que parar de vender o modelo mais moderno. Inicialmente, apenas a China Eastern Airlines anunciou essa paralisação.

Após o acidente, as ações da Boeing já caíram quase 8%.

O acidente

Segundo as autoridades chinesas, o Boeing 737-800 da China Eastern Airlines que saiu de Kunming para Guangzhou, no sul do país, perdeu contato com a torre de comando quando ele sobrevoava a cidade de Wuzhou. Em alguns vídeos, é possível ver a aeronave descer em posição completamente vertical, algo tão raro em acidentes aéreos que nem especialistas estão conseguindo explicar o que aconteceu.

Ainda de acordo com informações vindas da China, às 14h20, no horário local, o avião voava a uma altura de 8,8 mil metros. Dois minutos e 15 segundos depois, ele já estava a 2.700 metros de altitude, conforme dados do site de monitoramento Flightradar24. Vinte segundos depois, a altura já era de apenas 900 metros.

O que diz a Boeing?

Um porta-voz da fabricante disse à Reuters que "está ciente dos relatos iniciais da mídia trabalhando para coletar mais informações". Até o momento, nenhum outro comunicado foi disparado pela empresa.

Fonte: O Globo (1 e 2)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.