Messenger e Instagram não receberão criptografia de ponta a ponta em 2021

Por Igor Almenara | Editado por Douglas Ciriaco | 04 de Maio de 2021 às 10h12
Reprodução/Facebook

O Facebook tem uma longa história de polêmicas com privacidade e, desde o escândalo que envolveu a Cambridge Analytica anos atrás, tenta reconstruir a confiança do público sobre não estar monitorando indevidamente seus usuários. Na contramão dessa ideia, a companhia adiou a chegada da criptografia de ponta a ponta no Messenger, o mensageiro que alimenta o Facebook e o Instagram atualmente, e manterá conversas vulneráveis por mais algum tempo.

A notícia surge de um anúncio sobre os próximos passos em termos de segurança e privacidade em conversas online. O Facebook mostra estar ciente das demandas públicas sobre discrição em diálogos online e reitera que desenvolve a criptografia de ponta a ponta para o Messenger, mas sua base de usuários não deve criar expectativas para que o recurso chegue pelo menos em meados de 2022.

“Estamos trabalhando arduamente para implementar criptografia de ponta a ponta por padrão nos nossos serviços de mensagens. Isso irá proteger mensagens privadas e garantir que somente o remetente e o destinatário podem acessá-las”, explica a rede social.

O Messenger adiciona novidades em usabilidade constantemente (Imagem: Divulgação/Facebook)

De acordo com o Facebook, as exigências por um mensageiro mais flexível para conexões instáveis, maior controle sobre quem entra em contato e outros recursos em usabilidade — talvez até tão importantes quanto criptografia — estão a caminho. "Nossas prioridades são direcionadas pelas conversas com pessoas sobre como querem utilizar o Messenger e incorporar esse feedback em recursos de privacidade nas mensagens", pontua.

Prioridade negligenciada

Atualmente, a criptografia de ponta a ponta já existe no Messenger no modo de “conversa secreta”, modalidae exclusiva para chat entre apenas duas pessoas. O WhatsApp também protege as mensagens com a camada de segurança, coisa que é constantemente exaltada pela companhia.

Preparar servidores para diálogos totalmente encriptados leva tempo, mas surpreende o fato de o Facebook levar mais alguns anos para acioná-lo no seu mensageiro. O atraso se torna ainda mais crítico quando o app toma grandes proporções em popularidade, como acontece nos Estados Unidos.

Segundo pesquisas citadas pela própria companhia, sete de dez estadunidenses estão mais preocupados com a integridade das suas informações pessoais. Nos últimos quatro anos, houve uma migração significativa para mensageiros que se comprometem em preservar conversas seguras entre os usuários, como Telegram e Signal.

Os primeiros anúncios da ferramenta começaram em 2019, mas a companhia deve ter priorizado outros recursos ao longo dos anos seguintes. Por enquanto, além da generosa janela de lançamento estipulada para 2022, não há anúncios concretos sobre a criptografia.

Fonte: Facebook

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.