Brave ganha serviço videochamada integrado ao navegador e que não deixa rastros

Brave ganha serviço videochamada integrado ao navegador e que não deixa rastros

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 23 de Setembro de 2021 às 11h57
Reprodução/Brave

O navegador Brave anunciou nesta quarta-feira (22) a versão final da sua plataforma de videoconferências integrada ao navegador chamada Brave Talk. Após um beta de um ano, restrito apenas aos Estados Unidos, a empresa promoveu todos os ajustes e agora disponibilizou o aplicativo de modo amplo para todos.

O Brave Talk é criado com código aberto baseado em Jitsi e totalmente construído para rodar direto no próprio navegador, assim como os irmãos Search e News. A ideia é focar na privacidade do usuário, sem coleta, armazenamento ou repasse de dados individuais das pessoas. Os diferenciais são o vídeo groupwatch (similar a um serviço de streaming), transmissão ao vivo para o YouTube e chamadas ilimitadas.

Videoconferências sem instalar nada e foco em privacidade são os trunfos do Brave Talk (Imagem: Reprodução/Brave)

Diferentemente de outros apps similares, a quem a empresa acusa de monitorar chamadas e coletar imagens, o Talk permitirá o uso de camadas de criptografia para evitar a interceptação por pessoas não autorizadas. Os servidores não devem armazenar metadados nem registrar histórico de chamadas, o que deve ser um trunfo para que não quer bisbilhoteiros cuidando da sua vida.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Será possível realizar ligações de forma rápida na página "Nova guia" do seu navegador, a partir do novo ícone de câmera. Se preferir, dá para acessar o serviço por meio de um site exclusivo: talk.brave.com. Para começar uma videoconferência será necessário utilizar o Brave, mas os convidados podem participar da conferência com o navegador que preferirem.

Outra vantagem é o fato de dispensar a instalação de extensões ou aplicativos extras em razão da tecnologia WebRTC. Há uma versão gratuita para conversas entre duas pessoas e uma paga para quem precisa realizar reuniões com três ou mais, pelo custo de US$ 7 por mês. Essa versão premium também contará com outros benefícios como gravação de chamadas, ferramentas de moderação (silenciar participantes e exigir senhas de entrada), além de possibilitar a entrada de "centenas de pessoas".

Talk x Together

Em maio do ano passado, o Brave havia lançado a mesma ferramenta sob o nome Brave Together. Na época, a companhia queria pegar carona na onda dos aplicativos de videoconferência, em franca ascensão, além de adicionar o seu costumeiro toque de privacidade. Pode-se afirmar que o Talk é apenas uma versão melhorada do Together, já que ambos têm as mesmas funcionalidades e foram construídos sobre o Jitsi.

Por enquanto, os aplicativos Brave para Android e iOS apresentam apenas o Brave Talk Premium, mas terão suporte à versão gratuita nas próximas semanas, segundo os desenvolvedores.

O Brave foi lançado em 2016 e o projeto é tocado pela Brave Software, companhia fundada pelo ex-presidente da Mozilla e criador do Javascript Brendan Eich. O navegador utiliza o Chromium como base e é conhecido por ter recursos dedicados à segurança e privacidade dos usuários.

Ao que tudo indica, a Brave caminha para ser um fornecedor completo de soluções, tal qual Google e Microsoft, afinal a suíte da empresa já conta com mecanismo de buscas, agregador de notícias, navegador e plataforma de videoconferências. Com uma crescente preocupação com a privacidade, este parece ser o momento ideal para escalonar seus serviços e atrair mais gente.

Fonte: Brave  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.