10 apps controversos que foram banidos do iPhone e do Android

Por Douglas Ciriaco

Há um universo de aplicativos e jogos disponíveis nas lojas das principais plataformas mobile da atualidade. A App Store (Apple) e a Play Store (Google) oferecem uma infinidade de opções pagas e gratuitas para seus usuários, então a coisa funciona basicamente assim: se você pensou em algo, é provável que já haja um app para tablet e smartphone.

Entretanto, algumas dessas ideias acabam violando os termos de uso das lojas de aplicativos, seja do ponto de vista moral ou econômico da coisa toda. Então, nós relembramos alguns casos e preparamos uma lista com alguns dos apps mais polêmicos já removidos das principais lojas da atualidade.

1. AdAway

Apps controversos

O Google não gosta de quem bloqueia publicidade. (Foto: Reprodução/Apps & Games)

Um dos mais conhecidos bloqueadores de propagandas no Android, o AdAway foi removido em 2013 da Google Play Store. O banimento ocorreu a partir do momento em que o Google resolveu remover de sua loja de apps todos os aplicativos responsáveis por bloquear propagandas.

Este é um tema bastante delicado, digamos assim, afinal a publicidade é a fonte de renda de muitos desenvolvedores e serviços que oferecem seus produtos gratuitamente para os usuários.

2. PSX4Droid

Apps controversos

Emuladores faziam sucesso também no Android. (Foto: Reprodução/YouTube)

Talvez você se lembre do apelo gamer em torno de alguns aparelhos como o Xperia Play, da Sony. E talvez você também se lembre que o gadget passou longe de servir, de fato, como um console portátil — talvez por isso os emuladores de videogames sempre fizeram sucesso.

O PSX4Droid era um deles, capaz de emular jogos de PlayStation One e que fez bastante sucesso durante algum tempo. Aí começaram as tempestades de problemas legais até que o aplicativo foi removido da Play Store.

3. TubeMate

Apps controversos

Baixar coisas do YouTube também não agrada o Google. (Foto: Reprodução/Do2Dear)

O TubeMate tinha um visual bastante parecido com o do YouTube, mas a sua função era permitir que usuários baixassem vídeos da plataforma do Google, podendo converter tudo para arquivos MP3, por exemplo. Era um jeito rápido e prático de fazer download de conteúdo do YouTube, mas é óbvio que isso violava as regras da Play Store. O resultado foi a remoção do app da loja de aplicativos.

4. iSnort

Apps controversos

Isso não parece uma boa ideia. (Foto: Reprodução/YouTube)

Você já deve ter visto aqueles apps que simulam uma vela acesa ou então um copo de cerveja. Alguém achou que seria legal fazer o mesmo e simular carreiras de cocaína para você “cheirar” pela tela do seu smartphone. Gostou da ideia? Pois o Google não e o app foi removido da Play Store. A controvérsia foi tamanha que impediu a chegada do iSnort ao iOS, mas atualmente ele ainda pode ser adquirido em lojas alternativas por aí ou junto aos seus desenvolvedores.

5. Amazon App Store

Amazon App Store

Amazon App Store é controversa — ao menos para o Google. (Foto: Reprodução/Amazon App Store)

O que há de errado com a Amazon App Store? Quase nada, a não ser o fato de que ela faz exatamente a mesma coisa que o Google Play Store. Assim, seguindo a política do Google de não permitir que lojas concorrentes estejam disponíveis dentro de sua própria loja, a Amazon App Store foi banida. Como o serviço não é nada ilegal ou mesmo controverso, ele pode ser facilmente instalado em qualquer aparelho Android — aprenda a fazer isso aqui.

6. Secret

Apps controversos

Polêmica e sucesso do Secret foram grandes por aqui. (Foto: Divulgação/Secret)

Em 2014, quase ninguém passou incólume ao sucesso do Secret, o aplicativo que funcionava como uma rede social anônima na qual qualquer pessoa poderia postar textos e imagens sem ser identificada. Então, a postagem circulava e estava disponível para amigos e pessoas próximas, mas tudo se mantinha no anonimato.

Ele chegou a ser proibido pela justiça no Brasil (e não pelo Google), pois virou um reduto de vazamento de fotos íntimas e bullying, até que finalmente foi encerrado pelos próprios desenvolvedores.

7. Grooveshark

Apps controversos

Grooveshark morreu primeiro no Android e no iOS. (Foto: Reprodução/Grooveshark)

Bastante popular, o Grooveshark era uma plataforma online de streaming de música que funcionava gratuitamente e permitia que os próprios usuários mandassem arquivos para lá. Então, tudo era compartilhado com todos e, apesar de haver algumas modalidades pagas, o serviço sempre se manteve na ilegalidade.

Assim, não demorou muito para que ele fosse visto como um fora da lei pelas lojas de apps e removido da Play Store e da App Store. No final das contas, os desenvolvedores da página abandonaram o barco em um acordo para não serem réus em um processo milionário contra as gigantes da indústria da música.

8. Baby Shake

Apps controversos

Brincadeiras de mau gosto? A gente vê por aqui. (Foto: Reprodução/CNET)

Um jogo macabro no qual você deveria acalmar um bebê que aparecia chorando na tela do seu gadget. Até aí tudo bem, certo? Mas a coisa começava a perder a graça quando você se dava conta de que o grande objetivo aqui era deixar a criança morrer, pois só assim ela pararia de chorar. Enfim, diante do panorama totalmente bizarro, é óbvio que o aplicativo não ia durar nas lojas de apps do iOS e do Android.

9. Make Me Asian

Apps controversos

Mais uma "brincadeira" sem graça. (Foto: Reprodução/18mr.org)

Mais uma “brincadeira” de mau gosto, o Make Me Asian (Faça-me um Asiático, em tradução livre) foi criado para “transformar” as pessoas em asiáticos. Obviamente racista, o aplicativo utilizava uma série de estereótipos para modificar o rosto de alguém, esticando olhos, adicionando um chapéu típico e um bigode estilo Pai Mei, além de deixar a pele mais amarelada. E como se isso não fosse o suficiente, a criadora do aplicativo fez outras versões tendo como alvo negros, judeus e indianos.

Felizmente, a sua vida no Google Play Store foi curta, de apenas dois meses. Após uma campanha no Twitter, que chamou a atenção para o racismo do app com a hashtag #makemeracist (Faça-me um Racista, em tradução livre), ele foi retirado do ar.

10. Dogwars

Apps controversos

Qual a necessidade disso? (Foto: Reprodução/Android Central)

Um jogo no qual você deveria alimentar e treinar o seu cachorro para colocá-lo em rinhas com animais de outros jogadores, este era o Dogwars. Obviamente, muitas vozes se levantaram contra o game, com direito a petição online e tudo. Assim, depois de uma breve, porém intensa pressão popular, o aplicativo foi removido dos catálogos da App Store e da Play Store.

Fique por dentro do mundo da tecnologia!

Inscreva-se em nossa newsletter e receba diariamente as notícias por e-mail.