Microsoft lança Windows 365, seu serviço de PCs em nuvem; veja os preços

Microsoft lança Windows 365, seu serviço de PCs em nuvem; veja os preços

Por Alveni Lisboa | Editado por Douglas Ciriaco | 02 de Agosto de 2021 às 16h31
Reprodução/Microsoft

A Microsoft lançou nesta segunda-feira (2) o Windows 365, a versão na nuvem do sistema operacional mais popular do mundo. O serviço está amplamente disponível para os interessados em ter acesso a uma máquina com Windows 10 (futuramente Windows 11), mas sem precisar montar um computador físico.

O anúncio foi feito no mês passado sem muito alarde, mas surpreendeu os usuários empresariais que podem rodar a plataforma em dispositivos com macOS, Linux ou Android. As empresas interessadas em adquirir pacotes do Windows 365 deverão contratar planos mensais conforme a quantidade de usuários.

Futuramente, o serviço terá suporte ao Windows 11 (Imagem: Reprodução/Microsoft)

Embora o preço tenha sido mantido em segredo, agora a companhia publicou a lista completa separada por configuração. O serviço é disponibilizado em dois tipos de assinatura: Business e Enterprise. O primeiro é projetado para empresas com 300 funcionários ou menos, enquanto o último é voltado para organizações maiores, embora ambas compartilhem os mesmos recursos.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

São doze configurações de computadores em nuvem para escolher, cada qual com níveis diferentes de desempenho, armazenamento e foco produtivo. A máquina mais simples tem uma vCPU, 2GB de RAM e 64 GB de armazenamento por R$ 137,10 mensais para cada usuário. Segundo a companhia, as configurações básicas são propícias para uso de funcionários em atividades operacionais como atendimento ao público ou call center, com acesso a apps leves.

Essas são as configurações de máquinas liberadas para rodar o Windows 365 (Imagem: Reprodução/Microsoft)

Na outra ponta a lista, estão as máquinas com maior poderio de processamento, direcionadas para quem executa tarefas pesadas como desenvolvimento de software ou criação de vídeos. Para essas pessoas, a configuração recomendada é uma 8 vCPUs, com 32 GB de RAM e 512 GB de armazenamento por nada menos que R$ 925,50 mensais por usuário.

Empresas maiores que aderirem ao plano Enterprise terão desconto de R$ 22,80 para cada máquina contratada. Pode parecer pouco se analisado para um caso apenas, mas o desconto é significativo quando se contabilizam milhares de funcionários.

Vantagens e desvantagens

Os clientes do Windows 365 Business também podem se beneficiar do desconto, mas deverão se inscrever no Windows Hybrid Benefit, disponível para clientes que tenham dispositivos com licenças válidas do Windows 10 Pro.

Cada pessoa atribuída a uma licença do Windows Hybrid Benefit deve ser o usuário principal de um dispositivo licenciado do Windows 10 Pro. Segundo a Microsoft, para manter seu preço com desconto, é necessário acessar o serviço do dispositivo licenciado Windows 10 Pro pelo menos uma vez durante o período contratado.

Os interessados podem experimentar até três das diferentes configurações disponíveis (apenas a com 4 vCPUs está liberada para isso) gratuitamente por um período de 60 dias. Apesar disso, somente um usuário por organização pode fazer o teste, como forma de inviabilizar o uso indiscriminado.

Uma das vantagens é poder rodar a mesma instância do Windows em qualquer outra plataforma ou sistema (Imagem: Reprodução/Microsoft)

Comparar o serviço da gigante do software com outros já disponíveis no mercado é uma missão difícil, afinal o sistema de cobranças é diferente. A Microsoft preferiu oferecer uma opção mais completa e com tudo embutido no valor, ao contrário de outras companhias que cobram por serviços adicionais.

Para ficar mais claro: uma máquina virtual top de linha da Amazon, sem placa de vídeo dedicada, custa hoje US$ 140,00 (cerca de R$ 720,00). Para ter o pacote Office e outros apps, contudo, é necessário pagar mais US$ 15,00 (R$ 77) por mês e ainda tem uma taxa adicional por US$ 0,10 por GB adicional usado. Se for considerado o valor do IOF e outros aplicáveis no momento da conversão de dólar para real, o valor final sairá praticamente no mesmo preço do ofertado pela Microsoft.

Resta saber se o mercado está pronto para receber uma solução da companhia, ou se ainda vai preferir ficar com quem já tem os serviços contratados há mais tempo. O que você acha? Deixe a sua opinião nos comentários.

Fonte: Microsoft  

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.