Samsung vai abandonar produção de displays LCD até o final de 2020

Por Rafael Arbulu | 31 de Março de 2020 às 12h33
(Imagem: Divulgação/Samsung)
Tudo sobre

Samsung

Saiba tudo sobre Samsung

Ver mais

A Samsung Display, divisão da gigante sul-coreana voltada à produção de telas, confirmou que deve parar de fabricar displays em formato LCD até o final de 2020. Com isso, o objetivo da companhia é priorizar o padrão OLED. Uma decisão similar foi tomada pela concorrente LG na última semana.

Atualmente a Samsung conta com quatro estruturas dedicadas à produção de painéis LCD — sendo duas na China e duas na Coreia do Sul. A empresa não informou, mas especula-se que tais estruturas serão fechadas, com a demanda pela tecnologia sendo compensada a partir da compra de materiais fornecidos por outras empresas à medida que ela muda o foco para atender à demanda pela tecnologia de pontos quânticos dentro do novo formato. Quando precisar atender a pedidos pelo antigo formato, a expectativa é que a sul-coreana recorra a parceiras como TCL e CSOT.

Alguns televisores e monitores da Samsung ainda utilizam painéis em LCD, como alguns modelos específicos da linha QLED: empresa confirmou que formato será abandonado até o fim de 2020, para priorizar novos modelos com padrão OLED

As encomendas de painéis em LCD que já foram feitas não devem ser impactadas, já que as fábricas devem continuar funcionando até o final de 2020.

Com a mudança de foco para painéis OLED, a Samsung invariavelmente tenta reacender a sua rivalidade com a LG: há cerca de cinco anos, a companhia deixou de investir em televisores LCD (empregando-o apenas em smartphones e tablets), permitindo que sua principal rival dominasse esse padrão de tela.

Há também que se ressaltar que a Samsung vem apresentando, em eventos do setor de consumo e eletroeletrônicos, a tecnologia Micro LED, que usa diodos em LED autoemissivos para a geração de pixels para compor a imagem. Entretanto, a empresa confirma que a viabilidade deste recurso ainda não deve se popularizar por pelo menos mais dois ou três anos.

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.