Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Qual a diferença entre GPS, GLONASS, Galileo e BeiDou?

Por| Editado por Douglas Ciriaco | 04 de Fevereiro de 2024 às 13h00

Link copiado!

Unsplash/Alvaro Reyes
Unsplash/Alvaro Reyes

O GPS costuma ser associado à navegação via satélite por ser a tecnologia mais antiga do segmento, mas não é a única opção disponível: nomes como GLONASS, Galileo e BeiDou também fazem parte desse segmento e oferecem soluções de localização em tempo real em todo o mundo. 

Todos os nomes mencionados são, na verdade, um modelo de GNSS, ou “Global Navigation Satellite System” (“Sistema Global de Navegação por satélite”, em tradução livre). A maioria deles possui origem militar e os exemplos mais antigos surgiram durante a Guerra Fria, mas posteriormente foram disponibilizados ao uso civil. 

Como funciona um GNSS?

Continua após a publicidade

O GNSS é uma categoria que abrange todos os nomes mencionados: normalmente, um sistema do tipo opera com uma constelação de pelo menos 24 satélites que orbitam a Terra e constantemente emitem sinais aos receptores. Os dispositivos em seguida fazem um processo chamado triangulação, no qual recebem os sinais de três emissores diferentes e calculam a posição exata com base no tempo em que cada um deles demorou para chegar.

O uso mais comum do GNSS está na navegação em tempo real em celulares, mas o serviço é amplamente usado por órgãos militares e setores como agricultura, cartografia, transporte público, topografia e controle de tráfego.

O que significa cada serviço?

Entenda o significado de cada sigla e o respectivo país de origem:

Continua após a publicidade

GPS

Sigla para Global Positioning System (“Sistema de Posicionamento Global”, em tradução livre), o GPS é o sistema mais popular do mundo, desenvolvido pelos Estados Unidos. O serviço herdou a tecnologia do Navstar GPS, criado pelo exército do país norte-americano em 1978 e foi liberado ao público sem restrições no ano 2000.

A constelação conta com um total de 32 satélites operacionais, sendo que 24 deles são ativos na cobertura global. O GPS é muito usado por empresas dos EUA, como é o caso do Google com o Maps, e por isso é um nome famoso para a navegação, principalmente no Brasil.

Continua após a publicidade

GLONASS

Abreviação para Sistema Global de Navegação por Satélite, o GLONASS é o sistema de navegação desenvolvido pela Rússia. Os primeiros passos da construção foram dados durante a extinta União Soviética, mas o projeto foi retomado e concluído apenas na década de 2000, durante a administração de Vladimir Putin no governo russo.

O GLONASS possui uma constelação de 24 satélites operacionais com cobertura global desde 2011. Trata-se de um dos sistemas GNSS mais antigos do mundo, com primeiro satélite lançado em 1986, possui estações de medição no Brasil e pode ser usado em alguns dispositivos da marca Garmin

Continua após a publicidade

Galileo

O Galileo é uma opção mais recente, desenvolvido pela Agência Especial Europeia (ESA), da União Europeia, e operado pela Agência da União Europeia para o Programa Espacial (EUSPA) voltado ao uso civil. O sistema é voltado ao uso civil e teve os primeiros satélites foram lançados em 2011 — o projeto lançou o serviço de alta precisão para testes em janeiro de 2023, com previsão para operar normalmente em 2024.

O sistema da União Europeia conta com 30 satélites, e seis deles atuam de reserva aos 24 emissores ativos.

Continua após a publicidade

BeiDou

O BeiDou (antigamente chamado de Compass) é a opção mais nova da lista e com mais satélites disponíveis na lista. Desenvolvido pela China, o sistema possui uma constelação total de 35 satélites.

O projeto começou a ser operado em 2011, com cobertura local, e especialistas da área de Posicionamento, Navegação e Cronometragem (PNT) já apontam que a tecnologia pode ser mais avançada do que o GPS para retratar locais com precisão e velocidade. 

Continua após a publicidade

Quais as diferenças?

As principais tecnologias de GNSS operam de forma parecida, com uso militar e civil (apenas o Galileo foi inteiramente projetado para uso civil). As principais diferenças entre cada um envolvem o país de origem e a quantidade de satélites disponíveis — veja o comparativo:

SistemaPaís ou bloco responsávelQuantidade de satélitesTipo de coberturaPrecisãoAltitude dos satélites
GPSEstados Unidos32 (24 operacionais)Global desde 1995De 30 cm a 0,5 mAproximadamente 20.200 km
GLONASSRússia26 (24 operacionais)Global desde 2011De 2,8m a 7,8mAproximadamente 19.100 km
GalileoUnião Europeia30 (24 operacionais)Global desde 2023Até 20cm no serviço de alta precisãoAproximadamente 23.200 km
BeiDouChina35 (24 operacionais)Global desde 20203,6m na versão global e 10cm na versão criptografadaAproximadamente 21.150 km

É possível escolher qual sistema usar?

Continua após a publicidade

Normalmente, o GNSS usado depende da região em que a pessoa está e da ferramenta usada, então não existem muitas alternativas para escolher um serviço específico. No entanto, alguns dispositivos permitem integrar os dados de GPS e GLONASS, como é o caso de alguns relógios da Garmin: a empresa explica que a combinação de ambos os sistemas pode gerar resultados até 20% mais precisos.

App mostra os satélites mais próximos

Caso você tenha curiosidade de descobrir quais são os satélites mais próximos de sua região, é possível baixar o aplicativo GPS Test (Android).

A interface não é tão intuitiva assim, mas o app oferece comandos para descobrir a hora com precisão com base nas informações de GNSS e ver um mapa com os satélites operantes na região.

Continua após a publicidade

Durante um breve teste no estado de São Paulo, foi possível notar a presença predominante de satélites GPS, seguidos de GLONASS, Galileo e BeiDou. O aplicativo ainda permite verificar a presença de emissores do QZSS (sistema de satélites do Japão)