O que é o 5G e o que ele significa para o consumidor?

Por Redação | 16 de Março de 2015 às 09h22

O 4G chegou ao Brasil em meados de julho de 2013 e definitivamente ainda não é uma realidade absoluta no país. No ano passado, foram registrados 167,8 milhões de acessos móveis à internet, dentre os quais apenas 6,8 milhões foram provenientes de conexões 4G. Enquanto a quarta geração de telefonia móvel ainda engatinha por aqui – e em muitas partes do mundo sequer foi implantada – a indústria de telecomunicações já está de olho na próxima geração, o chamado 5G.

O tema foi amplamente discutido durante a Mobile World Congress (MWC) 2015, onde empresas-chave como Nokia Networks, Huawei e Ericsson falaram sobre o que cada uma delas está fazendo na área do 5G e as possibilidades que essa nova geração pode criar. Há quem diga que os usuários serão capazes de realizar o download de um filme HD em seu dispositivo móvel em questão de segundos. Mas ainda existe uma série de dúvidas que ronda essa tecnologia emergente: o que, exatamente, é o 5G? Como ele vai funcionar? Como afetará a vida dos consumidores?

Bonnie Cha, do Re/Code, conversou com alguns especialistas do setor e empresas como Nokia e Huawei para saber mais a respeito do 5G. Entre diversas respostas interessantes, a maioria concordou em um ponto: essa tecnologia ainda está muito longe de se tornar uma realidade, mas tem o potencial de mudar completamente a maneira como interagimos com os dispositivos sem fio.

O que é 5G?

5G é o nome a ser dado para a próxima geração de redes sem fio. E isso é o máximo que se pode definir atualmente.

Durante um discurso na MWC, o presidente da FCC (Comissão Federal de Comunicações dos Estados Unidos), Tom Wheeler, comparou o 5G a uma obra de Picasso: "Eu vejo algo diferente do que você vê. Eu acho que é assim que está o 5G agora. Está tudo no olho de quem vê", disse Wheeler.

5G

Toda essa ambiguidade em torno do 5G existe por que tudo ainda é apenas, em partes, um grande conceito e a indústria sem fio ainda não definiu quaisquer normas em torno dessa nova rede. Mas ela já está visando alcançar alguns objetivos-chave com o 5G. São eles:

  • Velocidade de dados significativamente mais rápida: atualmente, as redes 4G são capazes de atingir velocidades de download com picos de 1 gigabit por segundo – embora na prática isso quase nunca aconteça. Com o 5G, essa velocidade aumentaria para 10 Gbps.
  • Latência ultrabaixa: neste caso, "latência" refere-se ao tempo que um dispositivo leva para enviar dados para outro dispositivo. Atualmente, o 4G apresenta uma taxa de latência de cerca de 50 milissegundos, mas o 5G quer reduzir isso para cerca de um milésimo de segundo. Isso será particularmente importante para aplicações industriais e carros autônomos.
  • Um mundo mais conectado: a Internet das Coisas deve crescer exponencialmente nos próximos 10 anos e ela vai precisar de uma rede capaz de suportar bilhões de dispositivos conectados. Parte do objetivo do 5G é fornecer capacidade e atribuir largura de banda de acordo com as necessidades das aplicações e dos usuários.

O que vamos poder fazer com o 5G que o 4G ainda não permite?

Para contextualizar melhor essa diferença de velocidades entre 5G e 4G, vamos usar um exemplo básico do dia a dia: download de filmes. De acordo com a Huawei, a tecnologia 5G permitirá que você baixe um filme HD de 8 GB em apenas seis segundos, enquanto você levaria sete minutos para realizar o mesmo procedimento em uma rede 4G e mais de uma hora em uma rede 3G. Interessante, não?

Mas o 5G vai muito além de "apenas" super velocidades de dados nos dispositivos móveis. Ele também abre a porta para uma série de diferentes aplicações tanto na indústria quanto para os consumidores.

Um exemplo citado pela Nokia ilustra bem a inovação que esse tipo de tecnologia pode trazer: você está viajando tranquilamente em seu carro autônomo, sem motorista, quando um acidente acontece na estrada sem o seu conhecimento. Com o 5G, sensores colocados ao longo da estrada seriam capazes de transmitir instantaneamente as informações para o seu carro (é nesse ponto que a baixa latência citada anteriormente é importante) para que ele possa, então, diminuir a velocidade a tempo de evitar outro acidente.

Durante a MWC deste ano, a Ericsson mostrou como o 5G poderia ser utilizado para controlar um maquinário pesado por meio de um controle remoto. Dentro de uma cabine, os participantes da demonstração utilizaram o Oculus Rift para controlar remotamente uma escavadeira real localizada na parte de fora do salão onde acontecia o evento. E funcionou!

Quais são os desafios enfrentados pelo 5G?

Um dos grandes desafios para o 5G é a padronização. Já existem diversos grupos trabalhando para determinar padrões de interoperabilidade, compatibilidade com tecnologias antigas (3G e 4G) e para ter certeza de que a rede será a "prova de futuro". Enquanto muitas empresas concordam que um padrão global é necessário, elas ainda não conseguiram se reunir e chegar a um acordo sobre o assunto.

A construção da infraestrutura para o 5G também é uma tarefa difícil, com questões que giram em torno do espectro e a instalação de novas antenas. Em partes, o 5G provavelmente vai depender de bandas de maior frequência para funcionar. Porém, não há mais espaço disponível nessas ondas e nas altas frequências os sinais não podem viajar tão longe quanto acontece nas frequências utilizadas pelo 4G, resultando em uma conexão ruim.

De acordo com a Nokia, obstáculos como prédios, árvores e até mesmo o mau tempo também podem causar interferências. Para compensar isso, as operadoras terão que instalar mais estações de base para garantir uma melhor cobertura do serviço e usar tecnologias de antenas como MIMO (Multiple-input and multiple-output), um conjunto de técnicas de transmissão para sistemas de comunicação sem fio com múltiplas antenas na transmissão e na recepção.

Quanto o 5G vai custar?

Tanto a Huawei quanto a Nokia concordam que o 5G não pode custar muito mais do que os consumidores pagam atualmente pelo 4G; caso contrário, ninguém vai adotar a tecnologia. Mas ainda é muito cedo para falar a respeito de preços de dispositivos e serviços 5G.

Quando o 5G vai se tornar palpável?

Também é muito cedo para estimar uma data de lançamento do 5G, mas as empresas estipulam que dentro de alguns anos essa tecnologia será real. Os mais otimistas esperam ver a primeira rede comercial do 5G funcionando em 2020 – mas isso é uma visão realmente muito otimista. Tal como acontece com o LTE, ainda vai demorar alguns anos para que a rede se torne popular.

Canaltech no Facebook

Mais de 370K likes. Curta nossa página você!