A15 Bionic do novo iPad Mini mostra velocidade inferior ao iPhone 13 em testes

A15 Bionic do novo iPad Mini mostra velocidade inferior ao iPhone 13 em testes

Por Renan da Silva Dores | Editado por Wallace Moté | 17 de Setembro de 2021 às 13h51
Divulgação/Apple

A Apple realizou nesta semana seu principal evento do ano, em que anunciou a aguardada linha iPhone 13. Ao lado dos novos celulares, a gigante de Cupertino atualizou ainda diversos acessórios, incluindo o Apple Watch, e trouxe novidades à família de tablets com dois novos iPads. O destaque vai para o iPad Mini de 6ª geração, completamente redesenhado para acompanhar a experiência oferecida pelo iPad Pro e iPad Air.

Bastante compacto, mas com uma tela respeitável de 8,3 polegadas, a novidade engloba suporte à Apple Pencil de 2ª geração, ganha diversas novas opções de cores e chega equipado com o novo chipset A15 Bionic, mesmo utilizado no iPhone 13. No entanto, testes preliminares encontrados no banco de dados do Geekbench 5 sugerem que a gigante de Cupertino tomou algumas decisões polêmicas com o dispositivo.

iPad Mini traz versão limitada do A15 Bionic

Pela primeira vez na família iPhone, a Apple decidiu separar de maneira mais marcante as variantes tradicionais dos modelos Pro, ao empregar duas versões diferentes do A15 Bionic: uma com GPU de 4 núcleos para o iPhone 13 e iPhone 13 mini, e outra com chip gráfico de 5 núcleos para o iPhone 13 Pro e iPhone 13 Pro Max. A mudança resultou em diferenças bem pronunciadas entre os aparelhos, ainda que todos mostrem boa evolução em relação ao iPhone 12.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Tudo indica que a empresa atuou de maneira similar com o A15 Bionic utilizado no iPad Mini — o dispositivo traz a variante com GPU de 5 núcleos, mas em velocidades menores, afetando a performance. Os testes encontrados, que acompanham aqueles que revelaram a distância entre o iPhone 13 e iPhone 13 Pro, indicam que o processador do tablet atinge clock de 2,9 GHz na CPU, comparado ao padrão de 3,2 GHz dos celulares.

iPad Mini entrega resultados menores que celulares (Imagem: Reprodução/Geekbench)

Na prática, isso coloca o iPad Mini abaixo do iPhone 13 padrão, ao marcar 1.596 pontos em single-core, quase 10% a menos que o celular. O aparelho acaba até mesmo apresentando desempenho de um único núcleo similar ao do iPhone 12 Pro Max, equipado com um A14 Bionic.

A situação é mais positiva em relação à GPU, que parece apresentar clocks menores, mas menor perda de desempenho. No teste da API Metal, o iPad Mini marca 13.759 pontos, vantagem de mais de 30% sobre o iPhone 13 tradicional, e pouco abaixo do iPhone 13 Pro Max, em uma diferença de cerca de 5%.

A situação é mais positiva na GPU, que se aproxima do iPhone 13 Pro (Imagem: Reprodução/Geekbench)

Diante disso, aqueles que querem obter o máximo de desempenho do A15 Bionic devem buscar pelo iPhone 13 Pro Max, ainda que seja importante destacar que a versatilidade do iPad é perdida no processo. Além disso, o tablet não deixa de apresentar enorme evolução em relação ao antecessor, com ganhos de até 40% na CPU e até 60% na GPU.

Conectividade 5G mmWave também está ausente

Se o iPad Mini ainda apresenta excelente desempenho apesar das reduções sofridas pelo processador, há outra ausência mais curiosa em conectividade — o aparelho não traz suporte às bandas utilizadas pelo 5G mmWave. Tido como o "5G verdadeiro", pelas altas velocidades que proporciona, a tecnologia está presente no iPhone 13 e já tem bom nível de adoção em países como EUA e Japão.

O site da Apple comprova que, ainda que haja suporte ao 5G de baixa frequência, o iPad Mini não atua na rede mmWave (Imagem: Reprodução/The Verge)

A falta do recurso, descoberta pelo site Six Colors e comprovada pelo site da fabricante, não chega a ser um problema para o mercado brasileiro. A rede ainda não foi implementada por aqui e, na verdade, sua ausência também não deve causar um impacto tão grande mesmo nas regiões que contam com a tecnologia, em virtude do alcance limitado. Ainda assim, a decisão surpreende, considerando os esforços da empresa em popularizar o 5G pelo mundo.

Fonte: PocketNow, MacRumors, GSMArena, The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.