Brave: navegador com foco em privacidade anuncia serviço de buscas “anti-Google”

Brave: navegador com foco em privacidade anuncia serviço de buscas “anti-Google”

Por Ramon de Souza | Editado por Jones Oliveira | 03 de Março de 2021 às 20h20
Divulgação/Brave

O DuckDuckGo que se cuide: temos um novo competidor no mercado de serviços de buscas focado em privacidade. O navegador Brave acaba de anunciar o Brave Search, resultado da aquisição do Tailcat, motor de busca de código aberto e que integrava o finado navegador Cliqz. A equipe do Cliqz foi desmontada em 2020, depois que sua principal investidora (a holding Hubert Burda Media) decidiu cortar custos pela crise da COVID-19.

“Por trás das cortinas, quase todos os mecanismos de pesquisa de hoje são construídos por, ou dependem de, resultados de grandes empresas de tecnologia. Em contraste, o mecanismo de busca Tailcat é construído com base em um índice completamente independente, capaz de fornecer a qualidade que as pessoas esperam, mas sem comprometer sua privacidade”, explica a companhia.

O Tailcat, segundo o Brave, não coleta informações pessoalmente identificáveis para exibir anúncios e sequer rastreia o endereço IP do usuário. A companhia promete que o Brave Search será 100% focado no internauta, sendo transparente (sem usar algoritmos secretos para manipular resultados), independente (recebendo colaborações financeiras da comunidade) e de código aberto, podendo ser usado para projetos derivados.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Imagem: Divulgação/Brave

É importante citar também que o mecanismo será oferecido de duas formas: com anúncios (não-direcionados) ou sem anúncios. Para esta segunda opção, será necessário realizar uma assinatura mensal. Caso prefira, será possível configurar o Brave para que ele utilize o Google Search ou qualquer outro serviço que preferir, mas a ideia é que o mecanismo proprietário seja configurado como padrão na instalação do browser.

Uma tendência benéfica

Com uma web cada vez mais consciente e preocupada com questões de privacidade, serviços que prometem ser alternativas “saudáveis” às grandes corporações vêm ganhando atenção da mídia e dos usuários. Um bom exemplo é o próprio DuckDuckGo, que cresceu em 62% em 2020 e bateu seu próprio recorde de 102 milhões de buscas no primeiro mês de 2021. O cenário do Brave não é diferente.

“O Brave cresceu significativamente no último ano, de 11 milhões de usuários ativos mensais para mais de 25 milhões. Esperamos ver uma demanda ainda maior pelo Brave em 2021, à medida que mais e mais usuários demandam soluções de privacidade reais para escapar das práticas invasivas das big techs”, afirma Brendan Eich, CEO e cofundador da Brave Software, em um comunicado oficial.

Antigo navegador Cliqz (Imagem: Divulgação/Cliqz)

“A única maneira de conter as big techs com seu mau-hábito de coletar dados pessoais é desenvolver um mecanismo de pesquisa robusto, independente e que preserva a privacidade oferecendo a qualidade que os usuários esperam. As pessoas não devem ser forçadas a escolher entre privacidade e qualidade”, complementa o Dr. Josep M. Pujol, chefe do projeto Tailcat.

Os interessados em testar o Brave Search devem se cadastrar em um hotsite criado especialmente para a novidade, sendo alertados quando o serviço estiver disponível.

Fonte: Brave

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.