Redmi 9T chega ao Brasil com 128 GB por R$ 2 mil; Poco M3 também já está à venda

Por Ramon de Souza | Editado por Luciana Zaramela | 14 de Abril de 2021 às 20h47
Divulgação/Xiaomi

A Xiaomi fez a alegria de seus fãs ao lançar no Brasil, nesta quarta-feira (14), quatro novos produtos em seu portfólio nacional. O primeiro deles — já aguardado depois que a própria companhia publicou um teaser em suas redes sociais — é o Redmi 9T, que se torna o membro mais poderoso da família Redmi. Sendo comercializado exclusivamente com 128 GB de memória interna e 4 GB de memória RAM, o modelo chega ao país custando R$ 2 mil, prometendo um bom custo-benefício sobre desempenho e autonomia energética.

Com uma tela Full HD+ (2340 x 1080 pixels de resolução) de 6,53 polegadas, o gadget possui um processador Qualcomm Snapdragon 662 de oito núcleos que trabalham a 2 GHz, junto com uma GPU Adreno 610. O grande destaque, porém, fica para a bateria de 6.000 mAh com carregamento rápido de 18 W, que promete 28 dias de stand-by, 56 horas de ligação telefônica, 195 horas de reprodução de música e 17 horas de reprodução de vídeos. A Xiaomi também promete que o componente possui uma vida útil de quatro anos.

Outro destaque fica para o conjunto óptico: são quatro câmeras no total, sendo uma grande angular de 8 MP, uma principal de 48 MP, uma auxiliar de 2 MP e uma macro também de 2 MP; já a frontal possui 8 MP de resolução. Temos ainda reconhecimento facial, sensor biométrico, som estéreo com certificação Hi-Res e um corpo com textura traseira que evita manchas de dedos. Infelizmente, o Redmi 9T fica devendo uma certificação à prova de água, sendo apenas resistente a respingos. Há duas cores disponíveis: verde e azul.

Poco M3

Curiosamente, o Poco M3 possui praticamente as mesmas especificações do Redmi 9T, mas é mais caro: ele está sendo vendido por R$ 2,2 mil. Ele conta com o mesmo Snapdragon 662, 4 GB de memória RAM, 128 GB de armazenamento interno e tela FHD+ de exatos 6,53 polegadas. Curiosamente, embora o modelo também possua uma bateria de 6.000 mAh, a fabricante garante “apenas” 2,5 anos de vida útil do componente antes que ele perca seu desempenho — pouco mais da metade de seu irmão.

Imagem: Divulgação/Xiaomi

Ademais, o Poco M3 conta com só três câmeras traseiras: uma macro de 2 MP, uma principal de 48 MP e uma auxiliar de profundidade de 2 MP. Embora as imagens publicitárias retratem o gadget em diversas cores, a única tonalidade disponível na loja virtual oficial da Xiaomi Brasil é a azul.

Mi Watch e Mi Watch Lite

Temos ainda, por fim, dois relógios inteligentes. O Mi Watch, de tela redonda, custa R$ 2 mil e oferece nada menos do que 117 modos de esporte graças à grande variedade de sensores. Ele conta com GPS, monitoramento cardíaco, oxigenação do sangue e uma bateria capaz de aguentar 16 dias a fio — ou 50 horas caso a geolocalização seja utilizada de forma contínua. A Xiaomi também destaca o display de 1,39 polegadas com resolução de 321 ppi e o design leve de 32 gramas (sem a pulseira, que pode ser trocada).

Imagem: Divulgação/Xiaomi

Bem mais acessível, o Mi Watch Lite custa R$ 999 e conta com uma tela quadrada de 1,4 polegadas com 323 ppi. Ele também possui GPS embutido e monitoramento cardíaco, mas fica devendo o oxímetro e trabalha com somente 11 modos de atividade esportiva. A bateria também é menor — ela aguenta nove dias longe da tomada com uso moderado e apenas 10 horas com o uso constante de geolocalização. Ambos contam com certificação 5 ATM, aguentando até 50 metros de submersão na água.

Imagem: Divulgação/Xiaomi

Vale observar que os dois smartwatches estão disponíveis nas cores preta, azul e bege, sendo possível trocar de pulseiras para montar a combinação que mais lhe agradar.

Fonte: Mi Brasil

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.