Linha Galaxy S22 mostra dificuldades de reparo em testes

Linha Galaxy S22 mostra dificuldades de reparo em testes

Por Vinícius Moschen | Editado por Wallace Moté | 04 de Março de 2022 às 11h50
YouTube/iFixit

Lançada em fevereiro deste ano, a linha Galaxy S22 teve as suas maiores mudanças de construção no modelo Ultra, em especial por conta da adoção de um compartimento próprio para a caneta S Pen. Porém, o teste de desmonte do conhecido portal iFixit mostra que os dispositivos da série possuem muitas semelhanças internas com a geração anterior, e por isso mantêm os mesmos problemas de reparabilidade.

Componentes internos da linha Galaxy S22 apresentam muitas semelhanças com a geração anterior (Imagem: YouTube/iFixit)

A retirada da tampa traseira exige a aplicação de uma fonte de calor para soltar a substância adesiva que mantém o painel no lugar. Mesmo assim o processo é bastante delicado, a ponto de o Galaxy S22 Ultra ter sido danificado durante a operação — por isso, o iFixit considerou que a Samsung utiliza um vidro bastante frágil nessa seção do celular. O Galaxy S22 padrão conseguiu sair ileso.

Quando abertos, os aparelhos revelam uma organização de componentes bastante similar, em que a bateria é coberta por alguns cabos conectores que podem ser retirados facilmente caso reparos precisem ser realizados. Porém, o tanque de energia em si ainda é colado com uma quantidade considerável de substâncias adesivas que só se soltam com a aplicação de álcool isopropílico, em um processo que exige paciência e pode ser perigoso, já que se trata de um componente volátil.

Linha Galaxy S22 tem novo motor de vibração

Novo motor de vibração gerou críticas entre usuários (Imagem: YouTube/iFixit)

Duas mudanças principais chamam a atenção entre os componentes da linha Galaxy S22. O primeiro é o motor de vibração, que agora é posicionado em uma orientação diferente e possui tamanho mais compacto — o iFixit espera que a Samsung tenha implementado um componente "pequeno e poderoso", mas relatos de usuários indicam que a vibração dos novos celulares é inferior à geração anterior.

A segunda mudança consiste na adoção de novas câmaras de vapor em aço inoxidável, em vez dos componentes mais tradicionais em cobre. Com isso, o calor gerado pelo processador Snapdragon 8 Gen 1 e pelos outros componentes é dispersado de forma mais eficiente, por meio de uma peça que possui uma espessura de apenas 0,4 milímetro.

No mais, os celulares possuem construções bastante tradicionais, em que os componentes de desempenho ficam na parte superior e são cobertos por uma quantidade razoável de pasta térmica. O conjunto de câmeras apresenta lente com 10x de zoom óptico apenas no S22 Ultra, e a placa inferior abriga componentes como alto-falantes, porta USB-C e microfones.

Fatores como a dificuldade na remoção da bateria reduziram a nota de reparabilidade dos celulares (Imagem: YouTube/iFixit)

Por conta da grande quantidade de cola utilizada em vários componentes, além da dificuldade na retirada da tela e do painel traseiro, os dispositivos da linha Galaxy S22 receberam uma nota 3/10 em reparabilidade. De acordo com a analista do iFixit, essa nota só não foi menor por conta da utilização de parafusos padronizados por toda a estrutura do aparelho, o que pode facilitar os reparos em alguns casos.

O desmonte completo pode ser conferido abaixo:

Fonte: iFixit

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.