Huawei deve lançar seu primeiro smartphone 5G ainda em julho

Por Rafael Arbulu | 12 de Julho de 2019 às 10h43
(Imagem: Divulgação/Huawei)
Tudo sobre

Saiba tudo sobre Mate 20 X

Ficha técnica

Até o dia 26 de julho de 2019, a Huawei deve lançar no varejo de consumo o seu primeiro smartphone com suporte ao 5G: o Mate 20 X 5G deve chegar às prateleiras da China, Itália e Emirados Árabes até o final deste mês, promete a empresa.

O aparelho é bastante similar ao Mate 20 X, mas tem algumas diferenças que o colocam à parte de seu irmão mais velho. Além da velocidade de conexão à internet móvel, o novo dispositivo conta com bateria de 5.000 mAh, 8 GB de memória RAM e armazenamento interno de 256 GB. Isso tudo para oferecer um melhor suporte ao novo modem 5G Balong 5000.

Huawei Mate 20 X 5G (Imagem: Divulgação/Huawei)

Ainda não se sabe sobre a disponibilidade do aparelho em outros mercados, haja vista que a Huawei ainda figura na lista de empresas com as quais companhias americanas ainda não podem fazer negócios. Devido à presença americana e forte lobby do governo de Donald Trump em outras nações, a chegada do Mate 20 X 5G não é certa. Agrava essa situação a revogação da licença de uso do Android imposta pela Google. Na Inglaterra, o plano da fabricante chinesa era de lançar o smartphone ainda no mês de junho, porém essa ideia foi descartada com as crescentes tensões.

Participe do nosso Grupo de Cupons e Descontos no Whatsapp e garanta sempre o menor preço em suas compras de produtos de tecnologia.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou que aliviaria esse “banimento comercial” da Huawei após encontro com o presidente chinês Xi Jinping no G20. Entretanto, o política ainda não oficializou a tréga e a Huawei ainda figura na lista de empresas sob o radar das autoridades americanas.

A facilitação não elimina a empresa dos olhos cuidadosos das entidades americanas, mas a libera para fazer negócios com empresas do país “quando não houver ameaça à segurança nacional”. Isso ainda não fez com que a Huawei tivesse mudanças de posicionamento em relação à Google (de quem ela tem uma licença temporária de uso do Android) e à fabricante de componentes ARM, por exemplo.

Fonte: The Verge

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.