Publicidade

Anderson Spider Silva | Diretor conta como escolheu as lutas para a série

Por| Editado por Durval Ramos | 05 de Dezembro de 2023 às 15h00

Link copiado!

Paramount+
Paramount+

A história de Anderson Silva ganhou uma adaptação para o audiovisual pelas mãos da Paramount+. Com cinco episódios no total, a minissérie chamada Anderson Spider Silva foi dirigida por Caito Ortiz (O Roubo da Taça) e chegou ao streaming no dia 16 de novembro, contando como o jovem menino preto nascido em São Paulo se tornou um dos principais campeões mundiais peso-médio do UFC.

Em entrevista ao Canaltech, Ortiz contou detalhes do seu processo de criação e de como escolheu as lutas que entrariam na série. De acordo com ele, foram selecionados cinco confrontos principais que representam bem a carreira de Anderson, sendo que uma delas acontece no Japão em um momento crucial que definiria a sua vida.

"A gente nunca aborda as lutas pelas lutas, elas estão lá em espaços condensados bem importantes para dizer o que está acontecendo na vida desse homem nesse momento. Por exemplo, o capítulo 3, que é o do Japão, é o momento de vai ou racha, que muda a história dele.”
Continua após a publicidade

Caito também comentou sobre o seu olhar para as lutas e sobre como ele não queria apenas retratar o confronto de forma simples, já que praticamente todos estão disponíveis na íntegra no YouTube.

“Trabalhamos muito sério para reproduzi-las (as lutas) da forma mais verossímil possível, e na dramaturgia o interessante pra mim era filmar as sensações por trás delas, a emoção do Anderson. Por exemplo, ele contou para gente como foi levar aquele primeiro soco do Chael Sonnen (no primeiro episódio), e descreveu 'quando eu abri o olho eu vi 4 Sonnen em cima de mim' e foi isso que colocamos na série. É esse tipo de coisa que é legal de filmar, porque uma câmera que filma apenas a luta não pega isso. Não pega os sentimentos. Outro desafio foi reproduzir a luta em que ele tem a fatídica fratura na perna. Então, como filmar algo que é horroroso e todo mundo viu? Tinha um desafio de passar a sensação de quebrar uma perna, e aí filmamos de maneira diferente, tinha o jogo de cor, movimento de câmera.”
Continua após a publicidade

Quem assistir à série, verá que realmente as emoções do Spider estão todas em cena, mérito do diretor e do próprio Anderson, que participou como produtor executivo, e ajudou na escolha dos três atores que o interpretam, sendo um na infância, outro na adolescência e outro na fase adulta.

“O mais difícil foi achar o Willian Nascimento (que dá vida ao protagonista na fase adulta). O ator tinha que imprimir o Anderson Silva. Ele tinha que parecer atleta, você tem que olhar e ver que ele é lutador de MMA. Eu só mostrei ele para a Paramount. Não teve escolha, era ele.”

Vale lembrar que a série não é totalmente linear e mescla a vida presente de Anderson Silva com suas lembranças do passado. Para dar vida às outras duas versões do lutador, foram escalados Bruno Vinicius e Caetano Vieira. Além deles, completam o elenco Tatiana Tiburcio, Larissa Nunes, Jeniffer Dias, Dudu Azevedo, Douglas Silva, Seu Jorge e Milhem Cortaz como um de seus treinadores.

Continua após a publicidade

E por falar em neles, Caito também contou como tomou a decisão de condensar os vários treinadores que Anderson teve em apenas dois.

“O desafio da dramaturgia é condensar uma quantidade enorme de eventos em um ou dois específicos. Um grande exemplo é que ele teve muitos treinadores e não dava para contar todos, mas a gente conta dois que são uma amálgama dos vários que ele teve.”

Família preta em cena

Outra escolha da série do Paramount+ foi dar destaque para a família do protagonista, que é formada basicamente por pessoas negras. De acordo com o diretor, o foco era mostrar uma família feliz e unida, que serviu de base para a construção da personalidade do atleta.

Continua após a publicidade

É claro que algumas situações de racismo também são retratadas, e mostram como o preconceito racial sempre esteve presente na vida daquelas pessoas. Para isso, a série contou com a diretora de diversidade e inclusão Deborah Medeiros e sua assistente, Delza Santos.

Já quando questionado sobre o assunto, Caito Ortiz reforçou que vê com bons olhos a preocupação do audiovisual em trazer pessoas pretas para o centro das produções. Em 2023, várias obras contaram a história de pretos ou pardos. Um exemplo disso é a também biografia Mussum: O Filmis, estrelada por Ailton Graça, e o especial da Rede Globo, Falas Negras, Histórias Impossíveis, que comemorou o Dia da Consciência Negra.

Mas Caito reforçou que essa mudança tem que acontecer também nos bastidores.

Continua após a publicidade
“Eu acho que para a gente ter uma mudança concreta, ela tem que acontecer não só na frente das câmeras, como atrás também. E os chefes de equipe? Homens e mulheres pretos, cadê eles?”

Já na frente das câmeras, o diretor optou por criar uma casa grande e uma mesa farta para os Silva, a fim de reforçar essa imagem de família negra feliz.

“Fizemos uma casa grande, potente, com força visual. Mesa cheia, farta... Por que não? Uma parte foi filmada na locação e o restante em estúdio e nós, eu e o diretor de arte, tínhamos conversas constantes sobre isso. 'Será que não tá muito grande?' E eu sempre pensava assim: 'e se tiver, qual problema?' E acho que isso traz uma imagem forte, logo que você vê aquela mesa [...], é uma imagem gostosa de se ver. Ela tem uma força e, infelizmente, isso acontece porque ela é pouco vista. Você já viu aquela imagem mil vezes com uma família italiana, mas não com pessoas negras.”
Continua após a publicidade

Um Anderson Silva para quem não gosta de MMA

Mesmo quem não gosta de MMA não deve se decepcionar com a série do Spider. É o que garante o próprio diretor que afirma que a trama vai muito além das lutas.

De fato, ao longo dos capítulos o público irá conhecer outras facetas de Anderson, como o lado "pai" que luta para salvar a vida do filho e o lado "marido" que tenta equilibrar as contas para não deixar faltar comida em casa.

Continua após a publicidade

Vale comentar que até o momento dessa reportagem, a série tinha cravado nota 6,7 no IMDb, sendo que o segundo e o terceiro episódios tiveram a maior média (8,5). Lembrando que quem quiser dar uma chance à série já encontra os cinco episódios disponíveis no Paramount+.