Publicidade

Variantes genéticas podem aumentar ou diminuir a altura das pessoas

Por| Editado por Luciana Zaramela | 05 de Dezembro de 2023 às 17h36

Link copiado!

Kindel Media/Pexels
Kindel Media/Pexels

Um estudo publicado na plataforma BioRXiv identificou variantes genéticas que influenciam diretamente na altura das pessoas, deixando alguém mais alto ou mais baixo em cerca de 7 centímetros. Ao todo, foram 30 variantes apontadas pelos cientistas, que analisaram genomas de mais de 300 mil pessoas.

Mas a equipe ressalta que essas variantes são consideradas muito raras: menos de 1% dos indivíduos são portadoras. Anteriormente, já foram identificadas mais de 12 mil variantes genéticas comuns que estão associadas à estatura, mas geralmente a influência é mínima, aumentando ou diminuindo a altura em um milímetro ou menos.

Essas raras têm um efeito médio de cerca de 3 centímetros, mas podem adicionar até 5 cm à altura de alguém ou tirar 7. A maioria parece agir alterando o nível de atividade dos genes, em vez de alterar as proteínas codificadas pelos genes.

Continua após a publicidade

Pesquisas anteriores mostraram que certas variantes genéticas ligadas à maior altura também aumentam o risco de algumas doenças nervosas, cutâneas e cardíacas, mas os cientistas vinculados a esse estudo mais recente ressaltam a necessidade de futuras pesquisas para entender melhor essa relação.

Mas eles acreditam que existem condições para as quais realmente faz sentido a sua relação com as variantes associadas à altura, por razões físicas. É o caso, por exemplo, das varizes. Nesse caso, a teoria é que a condição é diretamente influenciada pelo retorno do sangue dos pés, que é mais exigente fisicamente.

DNA e altura

Em abril, cientistas apontaram os genes que determinam a altura da pessoa. No estudo, os pesquisadores da Harvard Medical School se concentraram nos genes ativados em células de cartilagem, presentes nas extremidades dos ossos.

Continua após a publicidade

Na ocasião, para chegar a 145 genes do crescimento, os pesquisadores examinaram 600 milhões de células de cartilagem em camundongos, e então cruzaram as descobertas dos roedores com informações genéticas em humanos. Neste ponto, descobriram inúmeras semelhanças, indicando possível relação. Atualmente, os autores envolvidos investigam cada um desses genes relacionado a altura.

Fonte: BioRXiv