Vacina da AstraZeneca estará disponível no Brasil em fevereiro, diz Fiocruz

Por Natalie Rosa | 22 de Dezembro de 2020 às 18h49
Thirdman / Pexels

A vacina da Universidade de Oxford, desenvolvida em parceria com a AstraZeneca, estará disponível no Brasil no dia 8 de fevereiro, de acordo com Nísia Trindade, presidente da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz), que deu a notícia nesta terça-feira (22) em audiência pública na Comissão Externa de Enfrentamento à COVID-19, da Câmara dos Deputados.

Segundo Trindade, o calendário programado, que depende apenas do registro da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária), está com as datas de 8 a 12 de fevereiro e 15 a 19 de fevereiro marcadas, quando será entregue aos brasileiros um milhão de doses. Na terceira semana, que será de 22 a 26 de fevereiro, serão entregues 700 mil doses diárias, totalizando 3,5 milhões de vacinas por semana.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Arnaldo Medeiros, secretário de vigilância em saúde do Ministério da Saúde, conta que o Brasil também está em negociações avançadas para a distribuição das vacinas a Pfizer e BioNTech no país. "A expectativa é de oito milhões no primeiro semestre de 2021 e outras 62 milhões de doses no segundo semestre do ano que vem, totalizando 70 milhões de doses da vacina da Pfizer em 2021", conta.

Imagem: Reprodução/Jcomp/Freepik

A CoronaVac, desenvolvida pelo Ministério da Saúde com o Instituto Butantan, também está com contrato adiantado para o pedido de 46 milhões de doses. Em janeiro, serão adquiridas nove milhões de doses, 15 milhões no mês seguinte e 22 milhões em março. Para todo o primeiro semestre de 2021, Medeiros diz que a compra pode ser expandida para 100 milhões.

Nísia Trindade diz que a Fiocruz irá se reunir na próxima semana com técnicos brasileiros e a direção da AstraZeneca para tratar do assunto referente à aprovação da Anvisa, contando ainda que pretende ter vacinas já prontas antes mesmo se seguir com o processo de fabricação.

Fonte: Agência Brasil

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.