Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Uso de silicone industrial em procedimentos estéticos pode trazer perigos graves

Por| Editado por Luciana Zaramela | 03 de Julho de 2023 às 18h07

Link copiado!

philippe spitalier/unsplash
philippe spitalier/unsplash

A atriz Marcella Maia comoveu a internet ao comentar que foi vítima de silicone industrial, o que chegou a levar ao surgimento de um tumor e quase cegueira. Mas já faz tempo que os especialistas alertam os perigos dessa substância, que ainda tem sido utilizada de forma clandestina.

Basicamente, o silicone industrial é uma forma não purificada de silicone usada em produtos industriais, como lubrificantes, adesivos e selantes. Ele não é aprovado para uso médico e pode ser perigoso se usado em procedimentos estéticos.

O primeiro alerta em torno do silicone industrial é que não é purificado para uso médico. Na prática, isso significa que pode conter impurezas e contaminantes prejudiciais à saúde. Além disso, o material é permanente, ou seja: não pode ser removido do corpo facilmente se houver alguma complicação.

Continua após a publicidade

Silicone industrial faz mal?

Quando utilizado em procedimentos estéticos, o silicone industrial pode fazer mal à saúde. Segundo o cirurgião plástico da Clínica Libria, Dr. Hugo Sabath, “essa substância pode ser injetada profundamente na pele, o que pode causar inflamação crônica, dor e danos permanentes aos tecidos circundantes".

O espcialista também alerta: "O silicone industrial pode migrar para outras partes do corpo e causar complicações a longo prazo, como nódulos, infecções e deformidades".

Existem clínicas clandestinas que usam a substância. Para isso, operam fora do controle regulatório das autoridades de saúde e não seguem as diretrizes de segurança e qualidade estabelecidas para os procedimentos estéticos.

Riscos do uso de silicone industrial

Alguns dos riscos associados ao uso de silicone industrial incluem:

  • Infecções graves e potencialmente fatais, especialmente se não for injetado em condições estéreis;
  • Inflamação crônica (que pode levar a dor e danos permanentes aos tecidos);
  • Reações alérgicas;
  • Deformidades permanentes, como nódulos, caroços e protuberâncias.

Vale o alerta de complicações a longo prazo, já que o silicone industrial pode migrar para outras partes do corpo e causar mais infecções e deformidades. Para se ter um parâmetro, no caso da atriz Marcella Maia, o procedimento aconteceu há 13 anos.

O cirurgião plástico recomenda ficar atento aos sinais de clínicas clandestinas, como preços muito baixos, falta de licenciamento ou certificação e condições insalubres das instalações. Caso surja alguma dúvida, vale buscar orientação de um profissional qualificado e confiável.

“A conscientização sobre os perigos do uso de silicone industrial em procedimentos estéticos é fundamental para garantir que as pessoas possam tomar decisões informadas e seguras sobre procedimentos estéticos", finaliza Sabath.