Publicidade

Testes da dengue | Como funcionam e quando fazer

Por| Editado por Luciana Zaramela | 08 de Fevereiro de 2024 às 14h48

Link copiado!

 Roman Wimmers/Unsplash
Roman Wimmers/Unsplash

O número de exames de dengue aumenta a um nível expressivo: segundo a Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica, a quantidade cresceu 21% em apenas uma semana na rede privada. Com a estimativa de que o surto de dengue no Brasil deve piorar em 2024, cresce a necessidade de entender como funciona o teste de dengue, qual a diferença entre as opções disponíveis e quando fazer.

Atualmente, o país disponibiliza três tipos de teste de dengue: o antígeno NS1, sorologia e RT-PCR. O uso de cada um depende da situação clínica e do tempo desde o início dos sintomas.

Teste de antígeno NS1

Continua após a publicidade

O teste de antígeno NS1 detecta a presença da proteína não estrutural 1 (NS1), produzida pelo vírus da dengue durante a fase aguda da infecção. É necessário coletar uma amostra de sangue, por meio de uma picada no dedo.

Como funciona

A amostra de sangue é então misturada com um reagente específico que contém anticorpos monoclonais que se ligam à proteína NS1, se presente na amostra. Essa mistura é aplicada em uma tira de teste: se a proteína NS1 estiver presente na amostra, ela se ligará aos anticorpos anti-NS1 na tira.

Se a proteína NS1 estiver presente na amostra, uma linha colorida aparece na região de teste da tira, indicando um resultado positivo para dengue. Se não houver NS1 na amostra, apenas a linha de controle será visível, indicando um resultado negativo.

Continua após a publicidade

Quando fazer o teste

O teste de antígeno NS1 para dengue é mais sensível durante os primeiros dias de sintomas, quando os níveis de NS1 no sangue são mais altos. Portanto, é recomendado fazer o teste nos primeiros cinco dias de sintomas, quando a carga viral é mais alta.

Você pode fazer esse teste em farmácias ou hospitais, e o resultado sai entre 15 e 30 minutos. No entanto, também tem a opção de fazer em laboratórios, o que pode demorar um pouco mais (uma a duas horas).

Continua após a publicidade

Sorologia

O teste também pode ser feito por sorologia, que detecta os anticorpos produzidos pelo sistema imunológico em resposta à infecção: os anticorpos IgM, que são os primeiros produzidos e começam a ser detectáveis após cerca de três a cinco dias do início dos sintomas, e os anticorpos IgG, produzidos em fases posteriores da infecção.

Como funciona

O teste sorológico também exige a coleta de sangue (o que pode ser feito por picada no dedo ou coleta em laboratório). Isso porque o sangue precisa ser processado para separar o soro, onde os anticorpos estão presentes, do restante dos componentes sanguíneos. O soro é aplicado na tira de teste contendo reagentes.

Continua após a publicidade

Quando fazer o teste

O teste deve ser feito após o 6º dia de sintomas. Já o tempo de resultado é igual ao do teste de antígeno: cerca de 15 a 30 minutos.

Teste de RT-PCR

Já o teste de RT-PCR é usado para detectar a presença do RNA do vírus da dengue em amostras clínicas, como sangue, plasma ou soro.

Continua após a publicidade

Como funciona

O RNA viral é extraído da amostra de sangue e convertido em DNA complementar (cDNA) por meio da enzima transcriptase reversa. O teste de RT-PCR para dengue é altamente sensível e específico, capaz de detectar o vírus mesmo em estágios iniciais da infecção. 

Quando fazer o teste

Esse teste deve ser feito nos primeiros dias, cinco a sete dias da doença, e está disponível apenas em laboratórios e unidades de saúde, via coleta de sangue.

Continua após a publicidade

Sintomas de dengue

Conforme informações do Ministério da Saúde, você deve ficar atento se apresentar febre (39°C a 40°C) de início repentino e apresentar pelo menos duas das seguintes manifestações:

  • Dor de cabeça
  • Cansaço excessivo
  • Dores musculares
  • Dores articulares
  • Dor atrás dos olhos

Mas após o período febril, também é importante ficar atento. "Com o declínio da febre (entre 3° e o 7° dia do início da doença), sinais de alarme podem estar presentes e marcar o início da piora no indivíduo. Esses sinais indicam o extravasamento de plasma dos vasos sanguíneos e/ou hemorragias", afirma o Ministério. Esses sinais podem ser:

Continua após a publicidade
  • Dor abdominal (dor na barriga) intensa e contínua
  • Vômitos persistentes
  • Acúmulo de líquidos em cavidades corporais (ascite, derrame pleural, derrame pericárdico)
  • Hipotensão postural
  • Irritabilidade
  • Aumento do tamanho do fígado
  • Sangramento de mucosa

Por fim, em caso de suspeita de dengue, o Ministério da Saúde recomenda "não se automedicar e procurar imediatamente o serviço de urgência em caso de sangramentos ou surgimento de pelo menos um sinal de alarme".

Fonte: PanVel, Ministério da Saúde, Associação Brasileira de Medicina Diagnóstica