Publicidade

Sono irregular aumenta risco de morte por câncer ou doenças cardíacas

Por| Editado por Luciana Zaramela | 27 de Abril de 2023 às 16h03

Link copiado!

amenic181/Envato
amenic181/Envato

O sono pode trazer diversos impactos para a saúde. No entanto, um recente estudo da Monash University (Austrália) foi ainda mais fundo no assunto e revelou que hábitos irregulares podem aumentar o risco de morte por câncer ou doenças cardíacas.

Anteriormente, outros pesquisadores chegaram a descobrir que bons hábitos do sono podem aumentar a expectativa de vida em até cinco anos. Nesse novo artigo, a descoberta é que dormir e acordar em horários inconsistentes tem aumentado o risco de morte nos sete anos seguintes.

O grupo de cientistas analisou as informações de cerca de 90 mil pessoas e usou um modelo estatístico para estimar seus hábitos de sono a partir dos registros de movimento. A partir disso, foi possível calcular uma pontuação de regularidade do sono, definida como a probabilidade de uma pessoa estar acordada ou dormindo no mesmo horário, em dois dias consecutivos.

Continua após a publicidade

Um grupo de participantes foi classificado com "baixa regularidade do sono", ou seja: 41% de chance de dormir ou acordar no mesmo horário por dois dias seguidos. Aqueles com regularidade de sono "média" tiveram 61% de chance de dormir no mesmo horário em dias consecutivos.

Sono irregular aumenta risco de morte

Sete anos após a primeira coleta de dados, 3.010 dos participantes tinham morrido. Aqueles com pontuações baixas de regularidade do sono tiveram 46% mais chances de morrer.

O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

O grupo de pesquisadores ainda percebeu que, das pessoas que morreram, para 1.701 a causa foi câncer, e para 616, doenças cardiovasculares. A teoria dos pesquisadores é que as mudanças nos horários de sono e vigília podem interromper os processos corporais, como o reparo de tecidos e o metabolismo, portanto, isso pode aumentar o risco de doenças crônicas.

Fonte: medRxiv, Live Science