Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Remédio injetável reduz reação alérgica grave a alimentos

Por| Editado por Luciana Zaramela | 26 de Fevereiro de 2024 às 16h40

Link copiado!

SteveAllenPhoto999/Envato
SteveAllenPhoto999/Envato

Você tem alergia a alguma comida? Pesquisadores de Stanford descobriram que um remédio injetável chamado omalizumab pode reduzir a reação alérgica provocada por determinados alimentos. A descoberta foi descrita no periódico New England Journal of Medicine no último domingo (25). 

A alergia alimentar é mais comum em crianças, por isso os cientistas responsáveis pelos estudos com o medicamento se concentraram em analisar a interação da substância no público infantil. A ideia é proteger da reação alérgica grave, com sintomas como falta de ar.

Originalmente, o omalizumab foi aprovado para tratar doenças como asma e urticária crônica, mas os pesquisadores descobriram que ele inativa os anticorpos que causam muitos tipos de doenças alérgicas.

Continua após a publicidade

Na prática, o medicamento se liga e desativa todos os tipos de imunoglobina E, ou IgE, a molécula causadora de alergia no sangue e nas células imunológicas do corpo. Até agora, o omalizumab mostrou capacidade de proporcionar alívio de vários alérgenos alimentares de uma só vez.

Omalizumab reduz reação alérgica grave

Todos os 177 participantes do estudo eram gravemente alérgicos a amendoim e a pelo menos dois outros alimentos. Após quatro meses de injeções mensais ou bimestrais de omalizumabe, 78% conseguiram comer pequenas quantidades desses alimentos com segurança. 

Continua após a publicidade

Desse grupo, 38% tinham de 1 a 5 anos, 37% tinham de 6 a 11 anos e 24% tinham 12 anos ou mais. As alergias alimentares graves dos participantes foram verificadas por testes cutâneos, e eles reagiram a menos de 100 miligramas de proteína de amendoim e a menos de 300 miligramas de cada alimento.

Em um novo exame, 66,9% dos pacientes que tomaram omalizumabe conseguiram tolerar pelo menos 600 mg de proteína de amendoim, a quantidade de dois ou três amendoins, em comparação com apenas 6,8% dos que receberam placebo. 

O omalizumabe também se mostrou seguro e não causou efeitos colaterais, exceto alguns casos de reações menores no local da injeção.

Aprovação do omalizumab

Continua após a publicidade

No último dia 16, o remédio injetável omalizumab foi aprovado pela FDA (Food and Drug Administration, órgão de saúde dos EUA) para alergias. No entanto, a própria FDA aponta, em comunicado, que "os pacientes devem continuar a evitar alimentos aos quais são alérgicos", já que a ideia do medicamento é "o uso repetido para reduzir o risco de reações alérgicas e não está aprovado para o tratamento de emergência imediato de reações alérgicas".

Fonte: The New England Journal of Medicine, FDA