Países pobres devem receber menos vacinas da covid que o esperado, diz COVAX

Países pobres devem receber menos vacinas da covid que o esperado, diz COVAX

Por Fidel Forato | Editado por Luciana Zaramela | 13 de Setembro de 2021 às 20h40
_Tempus_/Envato Elements

Apenas 1,9% das pessoas em países de baixa renda receberam pelo menos uma dose da vacina contra a covid-19, segundo dados da plataforma Our World in Data. Para o final deste ano, o cenário de imunização desses países contra o coronavírus SARS-CoV-2 não deve melhorar significativamente. Isso porque, de acordo com o programa COVAX Facilitiy — coordenado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para a distribuição mais igualitária de imunizantes no globo —, menos doses serão entregues para essas nações do que o esperado.

O COVAX Facility planeja entregar 785 milhões de doses de imunizante contra a covid-19 para inúmeros países do globo neste ano. No entanto, apenas 245 milhões de doses foram, de fato, enviadas. A maioria dos lotes foi despachada na forma de doação para os países mais pobres. Em paralelo, taxas melhores foram negociadas para o envio aos países em desenvolvimento ou ricos, como o Brasil e o Canadá.

Distribuição de vacinas contra a covid-19 para países pobres será menor que a esperada (Imagem: Reprodução/Nelsonart/Envato Elements)

Por que menos doses das vacinas da covid serão entregues?

Para contornar a falta de vacinas contra covid-19 nos países mais pobres, a OMS pediu às nações ricas que esperassem até o final do ano para aplicar as doses de reforço, só que o pedido de moratória repercutiu pouco entre os países.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

"Não vou ficar calado enquanto as empresas e países que controlam o fornecimento global de vacinas pensarem que os pobres do mundo devem ficar satisfeitos com as sobras", disse o diretor-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, na última quarta-feira (8). Na mesma coletiva, Ghebreyesus pediu que as promessas de doações de imunizantes fossem respeitadas.

Outros pontos que afetaram os planos de distribuição de imunizantes foram: problemas com uma grande fábrica de vacinas na Índia; a dificuldade em se ampliar a produção de doses da Covishield (AstraZeneca/Oxford) e da fórmula da Janssen (Johnson & Johnson); e a aprovação tardia do imunizante da Novavax. 

Fonte: Medical X Press e Our World in Data   

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.