Publicidade

Ozempic | Quem para de tomar semaglutida deve comer o quê?

Por| Editado por Luciana Zaramela | 18 de Abril de 2023 às 10h50

Link copiado!

NomadSoul1/Envato
NomadSoul1/Envato

De forma off label (fora da bula), muitas pessoas têm usado o remédio Ozempic para perder peso. Isso porque o princípio ativo da fórmula, a semaglutida, tem diferentes efeitos no corpo, incluindo a sensação de saciedade, a desaceleração do esvaziamento do estômago e a estimulação da produção de insulina. No entanto, nenhuma medicação é para sempre e esses usuários precisam planejar o que fazer e o que comer no pós-tratamento.

Caso mudanças complementares não sejam adotadas ainda no período que o Ozempic é usado ou no pós, como uma dieta balanceada e a prática de exercícios físicos, o indivíduo pode vivenciar aquilo que é chamado de efeito sanfona. De forma simples, ele ganha o peso que perdeu anteriormente — algo comum na maioria das dietas que não envolvem reeducação alimentar.

A seguir, confira sete fatos importantes para quem vai parar o uso de Ozempic ou de qualquer outra medicação com semaglutida:

Continua após a publicidade

1. Equilíbrio entre calorias e gasto calórico

O princípio mais básico para quem busca manter o peso é perder, através das atividades do dia a dia e dos exercícios físicos, a mesma quantidade de calorias ingeridas através dos alimentos.

“Para alguém que quer manter a perda de peso depois de sair do Ozempic, a manutenção tem tudo a ver com equilibrar a quantidade de comida que você ingere com a quantidade de energia que está queimando”, detalha Tara Schmidt, nutricionista da Mayo Clinic Diet, nos Estados Unidos, para o site The Healthy.

Continua após a publicidade

2. Esqueça as dietas radicais

Se é preciso manter a continuidade da nova forma de alimentação, ela não pode ser radical. Nesse ponto, Archana Sadhu, endocrinologista do Houston Methodist, desaconselha dietas drásticas, como as que proíbem o consumo de carboidratos ou que têm um índice calórico muito baixo. “O melhor plano de dieta é aquele que é sustentável para você”, resume.

3. Opte por alimentos ricos em proteínas

Continua após a publicidade

Pensando nos itens da dieta, Sadhu aconselha os pacientes a “não pularem ou economizarem na proteína depois de tomar esses medicamentos [para emagrecimento]”. Isso porque, durante o emagrecimento induzido, há também perda muscular.

“Como um bônus adicional [da ingestão adequada de proteínas], quanto mais massa muscular você ganha ou mantém, mais seu gasto metabólico basal realmente aumenta. Então você automaticamente queima mais calorias, mesmo sem restrição calórica ou exercício”, acrescenta a médica Sadhu, recomendando a ingestão de carnes magras (com menos gordura).

4. Prefira alimentos in natura

Olhando para o prato e para os lanchinhos durante o dia, “incentivamos a ingestão principalmente de alimentos ricos em nutrientes, como vegetais, frutas e grãos integrais”, afirma a nutricionista. Basicamente, opte por aquilo que está in natura. Só vale a ressalva que, mesmo esses alimentos, como frutas e sucos, podem ser ricos em açúcares e, eventualmente, devem ser moderados.

Continua após a publicidade

5. Abandone os ultraprocessados

Por outro lado, Schmidt desaconselha os alimentos que têm muitas calorias, enquanto são pobres em nutrientes, como os ultraprocessados ​​com alto teor de açúcares e gorduras adicionadas. Indo além da questão do Ozempic, estudos já relacionam o consumo excessivo desse tipo de alimento com o risco aumento para o câncer e o declínio cognitivo.

6. Pense em alimentos que dão saciedade

Continua após a publicidade

Também vale pensar em alimentos que, de alguma forma, simulem o efeito da semaglutida no organismo, ou seja, entreguem o efeito de saciedade. Neste ponto, uma pesquisa da Universidade de Ottawa, no Canadá, sugere a ingestão de abacate, leguminosas, grãos integrais, ovos, nozes e outros tipos de sementes.

7. Busque um nutricionista

Agora, para entender aquilo que faz sentido na sua rotina e balancear as quantidades e os tipos de alimentos que “valem” ser ingeridos, o recomendado é buscar a orientação de um profissional de saúde, como um nutricionista. Com maior experiência e estudos na área, ele pode ser a peça central em um processo de reeducação alimentar.

Continua após a publicidade

Fonte: The Healthy