Publicidade

OMS quer Brasil como fornecedor internacional de vacinas da dengue

Por| Editado por Luciana Zaramela | 07 de Fevereiro de 2024 às 11h30

Link copiado!

Jcomp/Freepik
Jcomp/Freepik

A vacina da dengue já é uma realidade no Brasil: além da Qdenga ser distribuída no SUS, há um imunizante do Butantan com eficácia de 80%. Agora, a Organização Mundial da Saúde (OMS) quer transformar o país no fornecedor internacional de vacinas contra a doença. Na segunda-feira (5), o diretor-geral da OMS — Tedros Adhanom — fez uma reunião com o presidente Lula e a ministra da Saúde, Nísia Trindade, em busca de uma parceria. 

O Palácio do Planalto não entrou em detalhes a respeito da reunião, mas revelou em comunicado que Adhanom sugeriu que o Brasil poderia ser fornecedor da vacina contra dengue por meio do Instituto Butantan e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

O Ministério da Saúde também pretende desenvolver uma parceria com a empresa produtora da vacina Qdenga (Takeda), Butantan e Fiocruz, para transferência da tecnologia do imunizante, a fim de ampliar a produção das doses.

Continua após a publicidade

É uma estratégia que já aconteceu antes, durante a pandemia de covid-19, com a parceria entre o Butantan e a chinesa Sinovac, e entre a Fiocruz e a AstraZeneca.

Na reunião, Adhanom também anunciou que a OMS pretende apoiar o Brasil na eliminação de doenças como tuberculose, hanseníase, doença de Chagas e HIV. Nesta quarta-feira (7), o diretor-geral da OMS participará com a ministra no lançamento de um programa nacional de combate a estas doenças.

Vacina da dengue no Brasil

Por enquanto, a Qdenga é a única vacina da dengue a ser distribuída no Brasil, já que a do Butantan segue em estudos. A Takeda pretende priorizar o SUS e não venderá o imunizante para clínicas privadas, e está prevista uma entrega de 6,6 milhões de doses para o ano de 2024 e mais 9 milhões de doses para o ano de 2025. 

Continua após a publicidade
O Canaltech está no WhatsApp!Entre no canal e acompanhe notícias e dicas de tecnologia

A fórmula, que apresenta uma eficácia de 80,2%, foi testada em mais de 28 mil voluntários e é segura tanto no público pediátrico (crianças com mais de 4 anos e adolescentes) quando no adulto (pessoas com até 60 anos). Por enquanto, o imunizante não é usado em idosos.

Vacina do Butantan

Em paralelo, temos a fórmula produzida pelo Butantan, com estudos que envolveram mais de 16 mil voluntários. Essa vacina da dengue mostrou elevada eficácia com apenas uma dose. A previsão é que o instituto consiga a autorização da Anvisa no início de 2025.

Continua após a publicidade

Fonte: Agência Brasil