Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

O tamanho dos seus dedos pode prever gravidade da covid, segundo estudo

Por| Editado por Luciana Zaramela | 31 de Março de 2022 às 10h01

Link copiado!

twenty20photos/envato
twenty20photos/envato

O tamanho dos dedos de uma pessoa pode ser um marcador da gravidade da covid-19. A afirmação vem de um estudo publicado na revista Scientific Reports. Os pesquisadores acreditam que o comprimento dos dedos tem relação com baixa testosterona e alto estrogênio, algo que pode ajudar até mesmo a identificar os grupos de maior risco.

De acordo com o estudo preliminar, quando o dedo anelar é mais longo que o indicador, pode ser sinônimo de níveis mais altos de testosterona. Enquanto isso, o dedo indicador mais longo representa níveis mais altos de estrogênio, e essa última característica se mostrou mais presente entre os pacientes hospitalizados com a forma grave de covid-19.

"Diferenças nas proporções digitais em pacientes hospitalizados sustentam a visão de que indivíduos que experimentaram baixa testosterona ou alto estrogênio são propensos à expressão grave de covid-19", escrevem os cientistas da Swansea University (Reino Unido) e da Medical University of Lodz (Polônia). O estudo foi conduzido no Karolinska University Hospital (Suécia).

Continua após a publicidade

Para identificar essa ligação, a equipe analisou 54 pacientes hospitalizados com covid-19 e 100 pessoas saudáveis, comparando as diferentes proporções de comprimento dos dedos com a gravidade da doença.

Os cientistas afirmam que a possibilidade de se identificar com mais precisão quem provavelmente está propenso a covid-19 grave pode ajudar a aumentar a compreensão da doença e aproximar os especialistas de um melhor repertório de medicamentos antivirais, ajudando a encurtar as internações hospitalares e reduzir as taxas de mortalidade.

No entanto, a equipe reconhece que o trabalho deve continuar, afinal, a amostra ainda é pequena. Assim, próximos estudos devem abranger um grupo maior de pacientes.

Fonte:  Scientific Reports, Medical Xpress