O que é falso negativo e falso positivo?

Por Nathan Vieira | 08 de Maio de 2020 às 16h53
Reprodução

Quando se trata da área da saúde, principalmente durante essa pandemia, o cenário ideal é ter um teste bastante preciso, amplamente disponível e fácil de administrar e avaliar. Mas uma variedade de fatores que podem ser específicos para qualquer teste que você esteja executando pode levar a um resultado menos preciso, em que é possível se deparar com os seguintes termos: "falso positivo" ou "falso negativo". Mesmo que um teste seja extremamente assertivo, uma pequena taxa de falso positivo ou falso negativo pode levar a conseqüências desastrosas, tanto individual quanto socialmente.

No caso do SARS-CoV-2, que causa a doença COVID-19 em humanos, o objetivo do teste é muito simples: identificar quem está infectado para isolar e impedir a infecção de outras pessoas. Mas sem um teste perfeito, falsos positivos e falsos negativos podem levar a resultados significativamente piores. Por isso, vale a compreensão do que de fato significa esses termos e, principalmente, o potencial impacto disso.

Falso positivo

Basicamente, quando se trata de falso positivo, quer dizer que a pessoa que está testando é realmente negativa, ou seja, ela não tem a condição que está sendo testada (No caso da COVID-19: ela não está com a doença em questão). No entanto, o teste acaba exibindo um resultado positivo de qualquer maneira. A taxa de falsos positivos é o número de resultados falsos positivos dividido pelo número total de resultados negativos verdadeiros.

Podemos usar, como exemplo, o excêntrico caso da Tanzânia: estavam analisando a precisão dos testes desenvolvidos para identificar a COVID-19, quando um mamão e um bode deram positivo para a doença em questão. Isso acabou desencadeando uma verdadeira crise no governo, e o presidente John Magufuli suspendeu o chefe do laboratório nacional de saúde, encarregado dos testes de coronavírus, e ordenou uma investigação sobre a precisão dos exames. Sendo assim, podemos dizer que o mamão e o bode foram falsos positivos, já que obviamente eles não tinham a doença, mas o teste apontou que tinham, mesmo assim.

O impacto do falso positivo seria o seguinte: imagine que o teste foi realizado em 1 milhão de pessoas, e atingido um total de 10.099 resultados positivos em sua amostragem. Mas desses resultados positivos, apenas 100 pessoas foram infectadas. Muita gente ficaria assustada desnecessariamente. No caso de outras doenças, que requerem tratamento, um falso positivo pode desencadear uma terapia medicamentosa completamente desnecessária ao paciente, que poderia, inclusive, vir a sofrer de efeitos colaterais.

Falso negativo

No entanto, o impacto do falso negativo é ainda mais intenso. Acontece que quando nos referimos ao termo falso negativo, estamos querendo dizer o seguinte: a pessoa que está sendo testada é realmente positiva, afetada pela condição que está testando (ou seja, utilizando como exemplo a COVID-19, ela está com a doença). Porém, o teste, quando administrado, dá um resultado negativo. A taxa de falsos negativos é o número de resultados falsos negativos dividido pelo número total de verdadeiros positivos.

Dependendo do que você está testando e quais são essas taxas, as consequências de qualquer uma delas podem ser devastadoras. Se você está testando uma doença rara, mas letal, uma alta taxa de falsos positivos é um pesadelo. Por exemplo, vamos supor que você tenha uma doença em que o teste tem uma taxa de falsos positivos de 1% (e nenhum falso negativo), mas apenas 1 em cada 10.000 pessoas realmente tem a doença. Grandes taxas de falsos negativos podem levar a resultados muito problemáticos quando a afecção é altamente contagiosa ou quando se espera que um número muito grande de pessoas seja positivo.

Alguém que tenha um resultado positivo, seja verdadeiro ou falso, precisará ser isolado e monitorado, e todos que entraram em contato com eles também precisarão ser testados e tratados como se estivessem possivelmente infectados. Para deixar de infectar os outros, separa-se o doente dos outros membros da família, mas alguém que é negativo poderá participar da sociedade em qualquer nível que seja considerado aceitável.

Existem muitos planos divulgados para aumentar os testes, incluindo testes em lote , mas o problema dos falsos negativos permanece. Quanto mais indivíduos reunimos, mais impactante se torna um falso negativo, pois dezenas ou até centenas de indivíduos podem ser considerados negativos quando não estão com apenas uma única série de testes. Muitos de nós ainda somos suscetíveis a uma infecção por SARS-CoV-2 e evitar o contato potencialmente transmissível com todos os indivíduos infectados é a única maneira de garantir que não corramos riscos.

Tanto os falsos positivos quanto os falsos negativos representam seus próprios perigos, onde quer que ocorra qualquer tipo de teste, mas os falsos negativos são particularmente mais perigosos para a COVID-19 ou outras moléstias infecciosas. As altas taxas de falsos negativos de todos os testes de COVID-19 aumentam a probabilidade de estar infectado, apesar de ter sido negativo. Por isso é tão urgente e necessário termos testes melhores, mais precisos e mais difundidos.

Fonte: Com informações da Forbes

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.