Novo tratamento pode controlar diabetes tipo 2 por meses em único procedimento

Novo tratamento pode controlar diabetes tipo 2 por meses em único procedimento

Por Natalie Rosa | Editado por Luciana Zaramela | 27 de Outubro de 2021 às 15h31
RossHelen/Envato

Uma nova forma de tratar a diabetes do tipo 2 pode se tornar realidade no futuro, se depender do Technion, Instituto de Tecnologia de Israel. A promessa do projeto é usar o autoenxerto de células musculares para a absorção do açúcar em taxas grandes.

A diabetes do tipo 2 é uma doença causada pela resistência à insulina e baixa capacidade das células de absorver açúcar, resultando no excesso crônico de glicose no sangue. A condição não tem cura e, sem o tratamento adequado, o paciente pode sofrer de doenças cardíacas, derrames, perda da visão, insuficiência renal, entre outros danos.

Imagem: Reprodução/Twenty20photos/Envato Elements

O projeto do novo tratamento, liderado pela professora Shulamit Levenberg, foi testado em camundongos. Após um único procedimento, os animais apresentaram níveis normais de açúcar no sangue por meses. Para chegar a esse resultado, a equipe de cientistas isolou células musculares de camundongos, programando-as para apresentar mais transportadores de açúcar ativados por insulina.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Na sequência, as células foram cultivadas para desenvolver um tecido muscular, sendo transportadas de novo aos abdômens dos ratos com diabetes do tipo 2. Os roedores foram monitorados por quatro meses e, ao longo do período, os níveis de açúcar no sangue permaneceram baixos. Além disso, os níveis de gordura no fígado, que podem ser altos por decorrência da doença, também foram reduzidos.

Levenberg explica que com a retirada das células do paciente, é possível tratá-las e eliminar o risco de rejeição. Então, essas células se reintegram facilmente ao organismo para responder à atividade normal.

O estudo foi publicado na revista científica Science Advances.

Fonte: MedicalXpress

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.