Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Novo remédio sublingual pode prevenir infecção urinária

Por| Editado por Luciana Zaramela | 29 de Novembro de 2022 às 13h22

Link copiado!

gstockstudio/envato
gstockstudio/envato

Em estudo publicado na revista Science Advances, um grupo de pesquisadores desenvolveu uma vacina contra a infecção urinária, na forma de um comprimido sublingual. Por enquanto, a novidade foi testada apenas em animais (camundongos e coelhos).

A infecção urinária costuma ser tratada com antibióticos, mas se o comprimido sublingual for eficaz em humanos, a ideia é reduzir essa necessidade. Segundo a Sociedade Brasileira de Neufrologia, trata-se de uma das causas mais comuns de infecção na população geral.

As mulheres são mais vulneráveis, sobretudo porque possuem menor extensão anatômica da uretra do que os homens, e maior proximidade entre a vagina e o ânus. Porém, os homens também são acometidos, principalmente quando há doença prostática associada.

Continua após a publicidade

A infecção pode acometer somente o trato urinário baixo, sendo chamada de “cistite”, ou afetar também o trato urinário superior (infecção urinária alta), sendo chamada de “pielonefrite”. No primeiro caso, os sintomas envolvem dor ao urinar, urgência para urinar, aumento da frequência do desejo de urinar, e dor suprapúbica (na parte inferior do abdome). Já no segundo, ocorre também febre alta, calafrios e dor lombar.

Vacina contra infecção urinária

O fármaco desenvolvido pelos pesquisadores norte-americanos treina o sistema imunológico para reconhecer e combater as bactérias causadoras da infecção urinária, expondo a três moléculas peptídicas encontradas na superfície desses micróbios.

O teste em camundongos mostrou que a vacina funcionou sem causar os efeitos colaterais indesejados. Ainda não se sabe qual é o tempo de duração da proteção, mas os autores do estudo estimam que o tratamento para a infecção urinária é menos prejudicial do que o uso recorrente de antibióticos.

Continua após a publicidade

Fonte: Science Advances, Sociedade Brasileira de Neufrologia