Publicidade

Neurotransmissor do estresse acorda seu cérebro mais de 100 vezes por noite

Por| Editado por Luciana Zaramela | 15 de Julho de 2022 às 13h40

Link copiado!

amenic181/Envato
amenic181/Envato

Um estudo publicado na Nature Neuroscience revelou que o neurotransmissor responsável pelo estresse chega a acordar o cérebro mais de 100 vezes por noite. No entanto, não há motivo para pânico: tudo faz parte de uma boa noite de sono comum, então é possível dormir bem mesmo com essas interrupções.

O neurotransmissor que libera o estresse é a noradrenalina, que está associada à resposta de luta ou fuga do corpo. É ela que ajuda o ser humano a manter o foco, por exemplo. Os cientistas responsáveis pelo estudo não consideram essas interrupções como um despertar do corpo, no entanto.

"Neurologicamente, você acorda, porque sua atividade cerebral durante esses breves momentos é a mesma de quando você está acordado. Mas o momento é tão breve que a pessoa nem percebe", explicam os autores do estudo.

Continua após a publicidade

Embora os pesquisadores tenham estudado camundongos, suas descobertas podem ser traduzidas para humanos, porque se concentraram em mecanismos biológicos básicos, ou seja, mecanismos compartilhados por todos os mamíferos.

O novo estudo mostra que, quando dormimos, o nível de noradrenalina no corpo está constantemente aumentando e diminuindo em um padrão ondulatório. Altos níveis de noradrenalina significam que o cérebro está brevemente acordado, enquanto baixos níveis significam que a pessoa está dormindo. Ou seja, os níveis de noradrenalina e grau de "despertar" estão conectados e mudando constantemente.

"Encontramos a essência para a parte do sono que nos faz acordar ​​e lembrar o que aprendemos no dia anterior. Os despertares muito curtos são criados por ondas de norepinefrina, que também são tão importantes para a memória e redefinem o cérebro para que ele esteja pronto para armazenar a memória quando você voltar a dormir", pontuam os autores. Logo, as interrupções proporcionadas pelo "hormônio do estresse" chegam ser benéficas para o cérebro.

Continua após a publicidade

Fonte: Nature Neuroscience via Medical Xpress