Miniórgãos revolucionam o que a ciência sabe sobre a COVID-19; entenda

Miniórgãos revolucionam o que a ciência sabe sobre a COVID-19; entenda

Por Fidel Forato | 27 de Novembro de 2020 às 14h00
Pierre Acobas/Unsplash

Já pensou em ver como uma infecção se espalha, em tempo real, a partir de uma miniatura do organismo humano? Este seria, com certeza, o sonho da maioria dos cientistas e poderia auxiliar na compreensão do novo coronavírus (SARS-CoV-2). Ainda distante do organismo completo, pesquisadores já conseguem desenvolver órgãos em miniatura — também conhecidos como organoides —, em uso nos estudos da COVID-19.

Por exemplo, os miniórgãos permitiram que especialistas avaliassem diferentes tratamentos possíveis contra a infecção do coronavírus, testando em seus tecidos diversos tipos de medicamentos. A partir desses organoides, também foi possível identificar que a COVID-19 não se limitava ao sistema respiratório e que ele era apenas a porta de entrada da doença. Hoje, sabe-se que o agente infeccioso afeta também o coração, o intestino, os rins e, até mesmo, o cérebro.

A partir de miniórgãos, pesquisadores avançam no entendimento do coronavírus (Imagem: Reprodução/ Hwang Mangjoo/ Rawpixel)

Antes da "popularização" dos miniórgãos, pesquisadores só conseguiam avaliar como uma infecção progredia em cobaias (humanas ou animais). Outra opção era o uso de cultura de células que permitia uma melhor análise, mesmo que localizada, das reações daquelas células contra um invasor.  

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Como são feitos os miniórgãos?

Para construir um miniórgão, a matéria-prima básica costuma ser células simples presentes na pele ou no sistema urinário. Depois dessa seleção das células, os cientistas as regridem para uma etapa anterior, transformando-as em células-tronco —  tipos de célula que podem se diferenciar e dar a origem a, praticamente, qualquer outra célula, como um neurônio.

"De acordo com fatores que usamos no laboratório, fazemos com que essas células-tronco se diferenciem e se especializem novamente", explica a neurocientista Marília Zaluar Guimarães, do Instituto D'Or de Pesquisa e Ensino, no Rio de Janeiro (IDor), para a BBC. De forma simples, os pesquisadores induzem uma metamorfose na célula.

No entanto, os organoides não são, somente, um amontoado de células que podem ser analisados com o auxílio de um microscópio. Nesse sentido, os miniórgãos são formações mais complexas e podem reunir diferentes tipos de células. Vale lembrar que um órgão é formado por diferentes tecidos celulares que se comunicam e exercem suas funções no nosso corpo. São essas funções que os cientistas procuram desenvolver, e não necessariamente o formato.

"No caso dos minicérebros, por exemplo, eles são esféricos, mas não têm a mesma formação do órgão verdadeiro. O que nos permite saber que aquela estrutura se assemelha à original são suas características celulares e bioquímicas", comenta o biólogo Daniel Martins de Souza, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Para a montagem das organoides, impressoras 3D são muito utilizadas.

Pesquisadores desenvolvem minicérebros em laboratório (Imagem: Reprodução/ Pete Linforth / Pixabay )

"Os organoides, por outro lado, são compostos de diferentes células e têm uma estrutura tridimensional. Por isso, eles têm funções mais parecidas ao que acontece de verdade", afirma o farmacêutico Kazuo Takayama, professor da Universidade de Kyoto, no Japão.

Na luta contra a COVID-19

Na luta contra a COVID-19, há importantes trabalhos feitos no Japão e nos Estados Unidos sobre a análise de minipulmões. Nesse caso, os pesquisadores descobriram quais células o novo coronavírus, preferenciante, invade e destrói no sistema respiratório. 

Para validar essas descobertas, uma equipe de pesquisadores da Stanford University School of Medicine avaliou a eficácia desses modelos para o estudo de doenças respiratórias. "Nossos estudos estabelecem uma facilidade in vitro modelo organoide para doenças infecciosas do pulmão distal humano, incluindo pneumonia associada à COVID-19", afirmam os autores em artigo recém-publicado na revista Nature. Além do coronavírus, validaram o método com o H1N1. 

"De forma geral, os organoides permitiram que entendêssemos que células humanas o coronavírus consegue invadir e usar para se replicar. Nosso grupo demonstrou que isso acontece no intestino, o que ajuda a explicar os sintomas gastrointestinais observados em muitos pacientes", relatam os pesquisadores Joep Beumer e Maarten Geurts, do Instituto Hubrecht, na Holanda, sobre outras pesquisas na área.

Uso de miniórgãos em pesquisas brasileiras

Por aqui, dois grupos de pesquisa investigam os efeitos da COVID-19 no cérebro humano. No Instituto D'Or de Pesquisa e Ensino, em São Paulo, pesquisadores desenvolveram neuroesferas — um miniórgão mias simplificado — para entender de que forma o SARS-CoV-2 poderia gerar danos ao sistema nervoso. Entre as descobertas do grupo, foi possível verificar que mesmo que o coronavírus chegue até essa parte do organismo, felizmente, ele não consegue se replicar e produzir novas cópias virais ali, o que reduz os seus danos.

Em paralelo, outro estudo desenvolvido na Unicamp, em Campinas, avaliou a presença do coronavírus nos astrócitos, que são um dos tipos de célula do sistema nervoso. Isso porque a invasão viral do coronavírus parece modificar a forma como essas unidades produzem energia. Em tese, isso impacta, diretamente, no funcionamento dos neurônios e na saúde do paciente. Fora da pandemia, a técnica dos minicérebros já foi usada para o estudo da esquizofrenia. 

Mesmo que os miniórgãos representem um avanço incalculável para a ciência, essas pesquisas enfrentam inúmeros desafios, como a dificuldade de aportes financeiros, já que é uma tecnologia ainda cara.  "Essa é uma área que dá seus primeiros passos e enfrenta desafios importantes. Muitas dessas estruturas são feitas com células que ainda estão imaturas, o que significa que elas não são 100% comparáveis com os órgãos de um adulto", comenta Núria Montserrat Pulido, professora do Instituto de Bioengenharia da Catalunha, na Espanha, apontando outras questões que, em breve, devem ser respondidas.

Fonte: BBC e Nature   

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.