Publicidade
Economize: canal oficial do CT Ofertas no WhatsApp Entrar

Microplásticos são identificados em coágulos no coração

Por| Editado por Luciana Zaramela | 28 de Maio de 2024 às 11h01

Link copiado!

digitale.de/unsplash
digitale.de/unsplash

Microplásticos foram encontrados em coágulos no coração, no cérebro e nas pernas. A descoberta foi descrita em um relatório da eBioMedicine. As partículas estavam presentes em 24 das 30 amostras analisadadas.

Os 30 pacientes foram submetidos a uma cirurgia para remover coágulos sanguíneos após sofrerem um acidente vascular cerebral (AVC), ataque cardíaco ou trombose venosa profunda, uma condição em que os coágulos se formam nas veias profundas, nas pernas ou na pélvis.

Segundo os pesquisadores, pode haver uma relação direta entre os níveis de microplásticos nos coágulos sanguíneos e a gravidade das doenças.

Continua após a publicidade

Através dos testes, os cientistas identificaram 15 tipos de plástico. Dentre eles, cloreto de polivinila (PVC, usado em construção) e polietileno (PE, presente em garrafas e sacos de compras). Inclusive, o mais comum foi o PE, representando 54% das partículas.

O relatório também detectou poliamida 66 nos coágulos, um plástico comum usado em tecidos e têxteis. Além disso, os coágulos apresentaram microplásticos de vários formatos e tamanhos.

Em março deste ano, as partículas de plástico foram encontradas em depósitos de gordura responsáveis por obstruir as artérias.

Como resultado, a presença dos microplásticos nas artérias pode representar um aumento no risco de doenças cardíacas.

Microplásticos nas artérias

Na ocasião, as partículas foram detectadas dentro de mais de 50% dos depósitos de gordura provenientes de artérias obstruídas.

O estudo acompanhou 257 pacientes durante 34 meses, e os tipos de plástico mais comuns também eram polietileno e PVC.

Continua após a publicidade

Microplásticos nas placentas

Os microplásticos também já foram encontrados em placentas, como mostra um estudo publicado na revista Toxicological Sciences. Os cientistas analisaram 62 amostras de placenta e viram partículas em simplesmente todas elas.

A quantidade de microplásticos, na ocasião, variou de 6,5 a 790 microgramas para cada 1 grama de tecido.

Microplásticos nos testículos

Continua após a publicidade

Outro lugar onde as partículas já marcaram presença: nos testículos. Foram 12 tipos de plásticos, com uma quantidade  de 328,44 microgramas por grama.

Com isso, vemos os microplásticos como uma verdadeira preocupação da ciência, não só por causa dos seus impactos ambientais, mas também pelos potenciais riscos à saúde humana.

Fonte: eBioMedicine