Meditação reduz riscos de doenças cardiovasculares, sugere estudo

Por Nathan Vieira | 31 de Julho de 2020 às 12h20
Erik Brolin/Unsplash

Na última quarta-feira (29), foi publicado um novo estudo norte-americano apontando que a meditação pode estar ligada a um menor risco de doença cardiovascular. Os pesquisadores usaram dados de uma pesquisa nacional realizada anualmente pelos Centros de Controle e Prevenção de Doenças, identificando todos os pacientes com colesterol alto, hipertensão, diabetes, derrame e doença arterial coronariana e todos os que relataram que meditavam. Das 61.267 pessoas na pesquisa, 5.851 participaram de alguma forma de meditação.

Depois de controlar a idade, sexo, IMC, estado civil, tabagismo, duração do sono e depressão, os pesquisadores por trás desse estudo descobriram que meditar estava associado a um risco 35% menor de colesterol alto, risco 14% menor de pressão alta, risco 30% menor de diabetes, um risco 24% menor de derrame e 49% menor risco de doença arterial coronariana.

"A meditação pode ser considerada um complemento às intervenções de redução de risco cardiovascular orientadas por diretrizes. A meditação pode potencialmente aumentar o relaxamento físico e mental, levando a melhores resultados após um grande evento cardiovascular. Nossa hipótese foi de que a meditação está associada a um menor risco de risco cardiovascular na população geral dos EUA", aponta o estudo.

O principal autor do estudo, Dr. Chayakrit Krittanawong, da Faculdade de Medicina Baylor, alega que a redução no estresse que a meditação pode proporcionar poderia explicar pelo menos parcialmente o resultado. Mas ele alerta que o estudo é apenas uma observação e que ensaios clínicos seriam necessários. O especialista ainda acrescenta que o estudo não fazia distinção entre os muitos tipos diferentes de meditação.

"Usando um grande banco de dados nacional, descobrimos que a meditação está provavelmente associada a uma menor prevalência de riscos cardiovasculares, mas o consumo de álcool, atividades físicas moderadas e exercícios podem ser fatores de confusão ou caminhos causais", o estudo ainda acrescenta.

Meditação x Coração

De acordo com estudo norte-americano com base em coleta de dados da população, a meditação reduz riscos de doenças cardiovasculares (Imagem: Prasanth Inturi / Pexels)

Tendo esse estudo em mente, a equipe do Canaltech conversou com Marcelo Sampaio, cardiologista da BP - A Beneficência Portuguesa de São Paulo. Ele afirma que já existem numerosos estudos mostrando que a meditação e doenças cardiovasculares têm uma interação positiva no sentido de controlá-las e também de preveni-las, principalmente porque ela diminui o risco e o grau do curso evolutivo dessas doenças, uma vez que elas já estejam instaladas.

"As doenças têm um curso mais benigno, com menos hospitalizações e menos complicações. Além do mais, estudos muito interessantes mostram que ela atua nos fatores de risco que podem gerar doenças cardíacas. Ou seja, desde o tratamento em si, ela pode ser benéfica, bem como na prevenção das doenças cardíacas. Mas lembrando que a meditação é um método auxiliar. Não pode substituir métodos convencionais como os medicamentos, o cateterismo, as cirurgias, etc, mas sim atuar em conjunto, associada a esses métodos, os resultados são muito benéficos", explica o especialista.

Questionado sobre outras atividades que tenham efeitos positivos em relação aos cuidados com o coração, o cardiologista recomenda a dieta saudável, a prática diária de atividade física, como caminhada, e o controle do estresse. "Nesse sentido existem medidas muito importantes que podem ser adotadas, mas eu chamaria atenção para os hobbies, algo que a pessoa goste de fazer ou praticar, que podem servir como canalizadores de estresse e controlá-los. Visitas regulares ao cardiologista são fundamentais para se manter a saúde do nosso coração em dia", orienta.

No entanto, para obter um resultado positivo, o segredo está em fazer as atividades com frequência: "A repetição, o hábito, é que geram a formação de substâncias protetoras ao coração com a redução das substâncias maléficas. Se você faz isso de maneira esporádica ou intermitente, você não terá esse tipo de benefício. Então é preciso criar um vínculo com essas atividades para que possam surgir os benefícios", diz Marcelo. Com isso, o cardiologista também ressalta que os benefícios não são imediatos, e vão começar em semanas a partir da adoção desse hábito benéfico.

Nessa época de coronavírus, Marcelo diz que é fundamental buscar atividades que mantenham numa estabilidade psico-emocional, num equilíbrio e numa sintonia do corpo com o meio ambiente. "A maior parte das pessoas estiveram ou estão isoladas, em quarentena, e o isolamento é um grande mecanismo de estresse. Isso já está comprovado. Todas as pessoas que ficam confinadas acabam estressadas. O confinamento também gera deficiência cognitiva e atividades que acalmam podem prevenir essas deficiências".

E o psicológico?

Meditação não só faz bem para o coração, como também gera impactos positivos em nosso psicológico, segundo especialistas  (Imagem: Pexels/andrea piacquadio)

Além do impacto cardiovascular, a meditação também tem potencial para impactar o psicólogo das pessoas que a praticam. De acordo com Roseli Chieco, psicóloga da BP, o efeito da meditação nessa área é positivo. "A prática de atenção plena não só previne quadros como depressão como afeta positivamente os padrões cerebrais. Existem efeitos de melhoria em aspectos como memória, criatividade, agilidade nas reações e reações mais coerentes de maneira geral", aponta.

A psicóloga ainda acrescenta: "Naturalizar a atenção plena faz com que a gente saia de um padrão automático de respostas e que a gente deixe de reagir às demandas, para que a gente possa agir em cada uma delas. Nessa época de COVID-19, conseguir manter essas atividades permite que a gente identifique gatilhos potenciadores de estresse, ansiedade, raiva, para poder dimensionar a ração a esses gatilhos". Assim como o cardiologista, Roseli também bate na tecla dos hobbies, e ressalta que atividades que geram prazer devem ser praticadas.

De acordo com a psicóloga, ao contrário do que se pensa, a meditação, quando a gente enxerga um cérebro numa ressonância, quando a pessoa está meditando, ela não está relaxando. "É uma prática mental intensa. É importante frisar. O cérebro está mais ativo, mais concentrado, e é modificado pelas experiências. O cérebro não só reage ao meio, o meio também o modifica", aponta. Roseli ainda conclui que a prática da meditação funciona como um antídoto contra o envelhecimento cognitivo. "A gente já consegue dizer que pessoas que praticam meditação têm uma massa cinzenta mais preservada, mantém o hipocampo íntegro, prevenindo demências, por exemplo".

Fonte: Com informações de American Journal of Cardiology via The New York Times

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.