Máscara PFF3 em hospitais do Reino Unido reduz drasticamente propagação da COVID

Máscara PFF3 em hospitais do Reino Unido reduz drasticamente propagação da COVID

Por Natalie Rosa | Editado por Luciana Zaramela | 30 de Junho de 2021 às 16h30
rottonara / Pixabay

O hospital de Addenbrooke, em Cambridge, no Reino Unido, atualizou o tipo de máscara a ser usada de forma obrigatória pelas suas equipes de médicos e enfermeiros, resultando em uma queda significativa de quase 100% nas infecções pelo coronavírus. A alteração consiste em deixar as máscaras cirúrgicas de lado para optar pelo respirador PFF3.

A recomendação é do Public Health England (PHS), órgão governamental de saúde pública da Inglaterra, para uso em procedimentos que geram muitos aerossóis, como o processo de inserção de um tubo na traqueia. Os testes feitos pelo hospital mostraram, então, que o número de infecções de profissionais chegou a praticamente zero.

"Com os respiradores PFF3 introduzidos, o números de casos atribuídos à exposição ao coronavírus nas enfermarias caiu drasticamente", conta Chris Illingworth, médico da Universidade de Cambridge. De acordo com o estudo do hospital, somente 30 funcionários de uma equipe de 3.800 desenvolveram sintomas da COVID-19. A maioria das infecções foi causada pela variante Delta, e 11 das contaminações aparentam estar conectadas a um único evento de "superpropagação".

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Imagem: Reprodução/AnnaStills/Envato

Em um segundo hospital que passou pela mudança, de quatro mil profissionais de saúde somente 118 apresentaram infecções sintomáticas, e em um terceiro hospital 70 funcionários de 1.100 tiveram a doença. Em ambos os casos, a maioria também foi afetada pela variante Delta. Os dados, segundo Ravi Gupta, da Universidade de Cambridge e co-autor do estudo, consistem em pessoas já vacinadas que passaram o vírus a outros. O resultado da pesquisa, então, apenas reforça que mesmo após a vacinação é preciso tomar os mesmos cuidados para evitar o risco de transportar o vírus e suas variantes e contaminar outras pessoas.

O respirador PFF3 é parecido com o PFF2, que se popularizou devido ao surgimento de novas cepas do coronavírus, mas que conta com um poder maior de filtração e, normalmente, uma válvula que facilita a expiração. Enquanto a PFF2 conta com filtração mínima de 94% e fuga de 8%, ou seja, chances de que os aerossóis entrem na máscara, a PFF3 tem filtração mínima de 99% e fuga de 2%.

Fonte: The Guardian

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.