Mais um caso? Hospital de SP investiga fungo negro em paciente com COVID-19

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 02 de Junho de 2021 às 10h35
catolla/envato

No último dia 16, um homem de Manaus morreu de mucormicose, doença mais conhecida como fungo negro. O caso foi confirmado na última terça (1º). Já nesta quarta-feira (2), o Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP passou a investigar um caso da doença em questão em um paciente com COVID-19.

A mucormicose mata mais de 50% dos acometidos, e em muitos casos, é preciso retirar cirurgicamente as partes do corpo afetadas pelo micro-organismo, como os olhos, por exemplo. Acontece que a doença necrosa os tecidos da face, atingindo nariz, olhos e podendo até invadir o cérebro. O surgimento do “fungo negro” em pacientes de COVID-19 na Índia acendeu o sinal de alerta no mundo, uma vez que mais de 9 mil pacientes infectados tiveram a doença.

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

No Brasil, além desse caso de Manaus, já tem mais um investigado em Santa Catarina. Atualmente, o Ministério da Saúde já está acompanhando o caso de SP. O paciente tem menos de 40 anos, teve um quadro moderado de COVID-19 e, por enquanto, não apresenta as comorbidades associadas ao “fungo negro”.

Hospital de SP investiga "fungo negro" em paciente com COVID-19 (Imagem: Laura Dewilde/Unsplash)

Há alguns fatores relacionados à proliferação do fungo, como diabetes, graças ao aumento da glicose. Pacientes com transplante de medula óssea e com doenças onco-hematológicas também estariam predispostos. No que diz respeito à COVID-19, a hipótese envolve o uso de corticoides, que aumenta a glicose e pode favorecer a proliferação dos fungos. A contração dos vasos sanguíneos e a inflamação gerada pela COVID-19 também poderiam facilitar o surgimento da mucormicose.

Mas é preciso ressaltar que o fungo negro não é transmissível e que, segundo os especialistas, não deve se transformar em um problema de saúde pública no Brasil.

Fonte: Folha de S. Paulo

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.