Instituto Butantan ajudará laboratório chinês a produzir vacina contra COVID-19

Por Nathan Vieira | 11 de Junho de 2020 às 14h00
Pixabay

Com essa pandemia, instituições no mundo inteiro estão focadas no desenvolvimento de uma vacina que possa ajudar nessa luta contra o coronavírus. Com isso em mente, nesta quinta-feira (11), o governador de São Paulo, João Doria, anunciou por meio de sua conta no Twitter que o Instituto Butantan será parceiro de um laboratório chinês para a produção de uma vacina que já está em fase final de testes.

“O Estado vai produzir a vacina contra o coronavírus, através de parceria entre o Instituto Butantan e o laboratório internacional Sinovac Biotech”, diz a publicação de Doria na rede social em questão. O post também traz um vídeo no qual o governador aparece ao lado do presidente do Instituto, Dimas Tadeu Covas. “Um anúncio histórico: o acordo feito pelo Instituto Butantan com um laboratório chinês e a terceira fase de testes, que é a última, para a vacina contra o coronavírus”, diz Doria no vídeo.

Parceria com laboratório chinês

 Instituto Butantan ajudará laboratório chinês a produzir vacina contra COVID-19

A Sinovach Biotech é uma afiliada do estatal Grupo Farmacêutico Nacional da China, com sede em Pequim. O laboratório obteve autorização para começar testes em humanos em abril. Em coletiva de imprensa no Palácio dos Bandeirantes nesta quinta (11), o governador de São Paulo afirma: "Hoje é um dia histórico para São Paulo e para o Brasil, assim como para a ciência mundial. O Instituto Butantan fechou acordo de tecnologia com a gigante farmacêutica Sinovac Biotec para a produção da vacina contra o coronavírus. Os estudos indicam que ela estará disponível no primeiro semestre de 2021, ou seja, até junho do próximo ano. E com essa vacina nós poderemos imunizar milhões de brasileiros".

Doria revela que a empresa fornecerá ao Instituto Butantan as doses da vacina para a realização de testes clínicos da fase 3 em voluntários no Brasil. "O acordo prevê a participação de São Paulo na realização de testes clínicos dessa vacina, com o acompanhamento de 9 mil voluntários brasileiros a partir do próximo mês de julho, dentro, portanto, de 3 semanas 9 mil voluntários já estarão sendo testados aqui no Brasil", completa.

O Brasil também foi um dos escolhidos para testar a eficácia da vacina desenvolvida pela Universidade de Oxford. No país, duas mil pessoas participarão dos testes, realizados com o apoio do Ministério da Saúde.

Fonte: João Doria (Twitter)

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.