Estudo com proteínas dá um passo adiante rumo ao tratamento do Alzheimer

Estudo com proteínas dá um passo adiante rumo ao tratamento do Alzheimer

Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela | 29 de Junho de 2021 às 10h40
RossHelen

Pesquisadores da Case Western Reserve University (EUA) investiram em novas abordagens para tratar Alzheimer e outras doenças neurodegenerativas ao identificar características específicas em príons (partículas infecciosas constituídas apenas por proteínas filamentares e DNA codificadas a partir de genes especiais que induzem a produção de anticorpos).

A ideia em si consiste em ajudar a projetar uma estratégia para conter doenças relacionadas a príons. Eles foram descobertos pela primeira vez no final da década de 1980 como um agente biológico contendo proteína que poderia se replicar em células vivas, porém sem ácido nucleico.

Os príons podem se ligar a proteínas no cérebro e causar buracos microscópicos. Com isso em mente, os pesquisadores desenvolveram um novo processo para estudar os príons, envolvendo a exposição ao raio X. 

Quer ficar por dentro das melhores notícias de tecnologia do dia? Acesse e se inscreva no nosso novo canal no youtube, o Canaltech News. Todos os dias um resumo das principais notícias do mundo tech para você!

Pesquisadores estudam proteínas para desenvolver tratamento de Alzheimer (Imagem: twenty20photos/envato)

Eles contam que a abordagem também fornece um modelo de como identificar locais estruturalmente importantes em proteínas ao tratar doenças como o Alzheimer, que envolve a propagação de proteínas de célula a célula (no caso, os neurônios) de maneira semelhante aos príons. Os cientistas ainda não descobriram a causa exata da doença de Alzheimer, mas concordam amplamente que os problemas com proteínas desempenham um papel importante em seu surgimento e progressão.

Fonte: Science Daily

Gostou dessa matéria?

Inscreva seu email no Canaltech para receber atualizações diárias com as últimas notícias do mundo da tecnologia.